Obrigações DBRS marca nova avaliação a Portugal para vésperas do Programa de Estabilidade

DBRS marca nova avaliação a Portugal para vésperas do Programa de Estabilidade

Próxima avaliação da DBRS agendada para 21 de Abril de 2017. A classificação que a agência canadiana atribui à dívida portuguesa permite o seu acesso ao plano de compras de activos do BCE.
DBRS marca nova avaliação a Portugal para vésperas do Programa de Estabilidade
Bruno Simão
Marta Moitinho Oliveira 21 de Dezembro de 2016 às 11:06
A agência canadiana DBRS marcou para 21 de Abril uma nova avaliação ao "rating" da República Portuguesa, revela o calendário para 2017 divulgado esta quarta-feira pela agência. A análise ao risco da dívida portuguesa fica assim agendado para a véspera do envio do Programa de Estabilidade para Bruxelas.  

A segunda avaliação do ano fica desde já marcada para 20 de Outubro de 2017, poucos dias depois da entrega do Orçamento do Estado para 2018 no Parlamento.

O Programa de Estabilidade estabelece o quadro económico e financeiro para os quatro anos seguintes e serve de baliza para o Orçamento do Estado que se segue.

O Executivo tem de enviar para a Comissão Europeia até final de Abril de 2017 o Programa de Estabilidade referente a 2017-2021.  

Quanto à segunda avaliação, marcada para 20 de Outubro, ela ocorre poucos dias depois da entrega do Orçamento do Estado no Parlamento mas antes da Comissão Europeia divulgar se aceita ou não o Orçamento português. 

A 21 de Outubro deste ano, a DBRS manteve o "rating" de Portugal em BBB (baixo) e a perspectiva estável para a notação. A decisão permite às obrigações soberanas portuguesas continuarem a ser aceites junto do Banco Central Europeu (BCE) como colateral nas operações de refinanciamento dos bancos e manterem a elegibilidade para o programa de compra de activos do banco central. 

Nessa avaliação, a agência deixou algumas notas positivas, como a correcção do défice orçamental e dos desequilíbrios externos nos últimos meses, a forma como o perfil da dívida está a ser gerido e o apoio das instituições europeias.

Porém, a DBRS alertou que seriam necessárias mais medidas de controlo da despesa que, dada a solução governativa em Portugal, poderão não ser adoptadas. Também se mostrou céptica sobre o potencial de crescimento e preocupada com o nível elevado da dívida sobre o PIB e a sua lenta redução.

A 10 de Outubro, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que a agência de "rating" DBRS lhe tinha comunicado estar "totalmente confortável" com a "posição orçamental muito forte" de Portugal. Foi o próprio ministro que revelou esta avaliação depois de uma reunião com responsáveis da agência.

Os juros das obrigações de dívida portuguesa a 10 anos estão a aliviar pela terceira sessão consecutiva no mercado secundário, a cair 1,6 pontos base para 3,728%. Porém, em relação ao valor que transaccionava no dia da última avaliação da DBRS, há precisamente dois meses, este valor representa um agravamento de 54 pontos base.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 dia


PS vai receber donativos dos clientes do BES a quem fez um favor milionário, pago pelos portugueses!

BES

PS rouba 270 milhões de €, aos trabalhadores e pensionistas... para dar a alguns amigos "especiais".


comentários mais recentes
pertinaz Há 1 dia

NO PASA NADA !!!

SOMOS DOS MELHORES CLIENTES DESSA XAFARICA

VAMOS PAGANDO A TEMPO E HORAS E NUNCA FALHAMOS

Anónimo Há 1 dia


CORTAR JÁ, NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores e pensionistas do privado.

Anónimo Há 1 dia

Isto da DBRS é como os solstícios de Verão e Inverno. São 2 vezes por ano e o que é que acontece ? Nada ..

Anónimo Há 1 dia

LÁ REGRESSA O DIABO DO CARECA CARANTONHA. DIABO DESSE CÃO!

ver mais comentários
pub