Petróleo Declarações da Arábia Saudita levam petróleo a perder mais de 3% em poucos minutos

Declarações da Arábia Saudita levam petróleo a perder mais de 3% em poucos minutos

O petróleo passou de 54 para 52 dólares em poucos minutos depois do ministro da Arábia Saudita ter afirmado que prolongar os cortes de produção na OPEP por nove meses é suficiente.
Declarações da Arábia Saudita levam petróleo a perder mais de 3% em poucos minutos
Khalid Al-Falih (na foto à direita) foi o protagonista do arranque da reunião da OPEP em Viena
Reuters

Foi sugerido um corte mais acentuado na produção de petróleo, alguns membros da OPEP indicaram flexibilidade para tal, mas "pensamos que não é necessário". Esta declaração do ministro da energia da Arábia Saudita, Khalid Al-Falih, provocou uma descida abrupta na cotação do petróleo esta manhã, que está a ser marcado pela forte volatilidade.

 

Os preços da matéria-prima estavam a negociar em alta no início da sessão, com o mercado a incorporar a decisão da OPEP, que está reunida em Viena e deverá aprovar o prolongamento por nove meses dos níveis de produção definidos até final de Junho.

 

O ministro da Arábia Saudita, em declarações aos jornalistas citadas pela Bloomberg, afirmou ser "altamente provável" ser mesmo essa a decisão do cartel, mas fez mais comentários que provocaram uma reacção muito acentuada nas cotações, no espaço de poucos minutos.  

 

O Brent, que negoceia em Londres, atingiu um máximo da sessão nos 54,67 dólares e depois dos comentários de Khalid Al-Falih recuou quase dois dólares para 52,80 dólares. Uma descida de mais de 3% num curto espaço de tempo.

 

Os preços recuperaram depois e seguem agora apenas em queda ligeira face ao fecho de ontem, com o mercado a absorver as várias declarações dos delegados da OPEP em Viena.

 

O ministro da Arábia Saudita explicou que prolongar o corte por nove meses é uma "aposta segura" e suficiente para equilibrar o mercado.  Khalid Al-Falih adiantou que os cortes decididos em Novembro do ano passado estão a dar resultado, perspectivando uma descida dos "stocks" no terceiro trimestre.

 

Analistas citados pela Bloomberg explicam a forte volatilidade nos preços esta manhã com o facto de vários investidores terem ficado decepcionados por esperarem uma acção mais forte por parte da OPEP para impulsionar as cotações.

 

Ainda assim, os responsáveis da OPEP não deixaram de lado tomar mais medidas para contrariar a queda nas cotações e o excesso de oferta no mercado. "Temos dito que faremos tudo o que for preciso", afirmou Khalid Al-Falih. Os responsáveis da Rússia, externos ao cartel, e da Nigéria admitiram que da reunião de hoje poderá sair um compromisso para manter os cortes por mais três meses além de Março de 2018.

 

Preços devem estabilizar

 

Jens Nærvig Pedersen, analista do Danske Bank, realça que "nesta fase, o mercado ficaria provavelmente desapontado se apenas houvesse uma extensão de seis meses e positivamente surpreendido se os cortes fossem estendidos por 12 meses". Partindo do princípio de que não há surpresas, e o cartel aprova um prolongamento do acordo por nove meses, o especialista vê o Brent a cotar em 54/55 dólares.


Mais optimista está Harry Tchilinguirian. O responsável global pela estratégia de matérias-primas do BNP Paribas vê a matéria-prima a transaccionar num intervalo entre 55 e 60 dólares por barril, no mercado londrino, no terceiro trimestre. O prolongamento dos cortes, associado a um efeito de sazonalidade e à quebra dos inventários russos, deverá sustentar as cotações nestes níveis, explica.

Para o especialista do BNP Paribas, os cortes "são no melhor interesse dos produtores", cujas receitas foram afectadas no último ano pela queda das cotações. Daí que, "nesta fase, nenhum país está a questionar o estatuto especial do Irão, Líbia, ou Nigéria".

Apesar do aumento da produção nos EUA nos últimos meses, segundo dados da AIE, o controlo na produção permitiu aos membros da OPEP ganhar mais 75 milhões de dólares por dia no primeiro trimestre de 2017, face a 2016.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Este grandessíssimo ministro deve ser menos inteligente que um calhau. Quando se esperaria que dissesse que em caso de necessidade se fariam mais cortes na produção, disse o contrário. Grande bruto.

Conselheiro de Trump Há 1 dia

Se e verdade que a construcao e o barometro da economia,tambem nao e menos verdade que a industria e o barometro do petroleo.Sabemos bem que a nossa economia prende-se com o turismo e como tal despendemo-nos mais da energia solar,Nao obstante o raio da divida nao ha meio de dar treguas.Nada funciona

surpreso Há 1 dia

Só vim aqui kagar. Prrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr

pub
pub
pub
pub