Bolsa Desde 1 de Março que os índices de Wall Street não se alinhavam todos nos píncaros

Desde 1 de Março que os índices de Wall Street não se alinhavam todos nos píncaros

As praças bolsistas norte-americanas estabeleceram novos recordes de fecho e novos máximos históricos. O Dow Jones conseguiu, por fim, superar  fasquia onde tinha tocado a 1 de Março.
Desde 1 de Março que os índices de Wall Street não se alinhavam todos nos píncaros
Reuters
Carla Pedro 02 de junho de 2017 às 21:24

O dia 1 de Março tinha sido a última sessão em que os três principais índices bolsistas norte-americanos tinham estado todos, simultaneamente, em máximos de sempre. Desde então, o Nasdaq e o S&P 500 foram-se estreando em novos patamares e o Dow Jones estabeleceu alguns recordes de fecho, mas estava difícil suplantar os 21.169,11 pontos da primeira sessão de Março. Aconteceu hoje.

 

As bolsas do outro lado do Atlântico abriram em alta ligeira, a digerir os sinais mistos do relatório do emprego nos EUA relativo a Maio – uma vez que a taxa de desemprego caiu, mas o aumento de empregos ficou abaixo das expectativas.

 

No entanto, ao longo do dia, o sentimento optimista foi ganhando força junto dos investidores e Wall Street acabou por ser catapultada para níveis nunca antes vistos.

 

O Dow Jones fechou a somar 0,29% para 21.206,29 pontos, depois de ter marcado um máximo histórico durante a sessão, nos 21.225,04 pontos.

 

Já o Standard & Poor’s 500 avançou 0,37% para 2.439 pontos, isto depois de na negociação intradiária ter pisado território totalmente novo, nos 2.440,23.

 

Também o tecnológico Nasdaq Composite seguiu a mesma tendência, terminando a valorizar 0,94% para 6.305,79 pontos. A meio da sessão tocou num nível nunca antes visto, os 6.308,76 pontos.

 

Apesar de terem sido criados menos empregos, em Maio, do que aquilo que era projectado pelo consenso dos economistas, o mercado não vacilou e continua na expectativa de que a Reserva Federal norte-americana suba os juros directores na sua reunião de 13 e 14 de Junho.

 

Do lado dos ganhos nesta sexta-feira, destaque para os títulos que mais beneficiam com aumentos das taxas de juro – sendo que também foram sustentados pelo facto de os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos terem tocado no valor mais baixo do ano.

 

A Microsoft foi uma das cotadas que mais se evidenciou pela positiva, ao registar o maior ganho dos últimos seis meses (2,38%) e a estabelecer-se num recorde nos 71,86 dólares.

 

A travar maiores ganhos estiveram sobretudo os títulos da energia, num dia em que as cotações do petróleo voltaram a estar a negociar em baixa, a cair mais de 2%.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
GLINTT Há 3 semanas

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 70% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA vai subindo sem euforias. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

pub