Mercados Desde a queda do Lehman Brothers que os fundos não perdiam tanto dinheiro

Desde a queda do Lehman Brothers que os fundos não perdiam tanto dinheiro

60 mil milhões de dólares. Foi este o montante que saiu dos fundos de investimento só no mês de Janeiro. É o valor mais elevado desde Setembro de 2008 e o pior início de ano em mais de duas décadas.
Desde a queda do Lehman Brothers que os fundos não perdiam tanto dinheiro
Bloomberg
Negócios 28 de Fevereiro de 2016 às 19:50

Só no mês de Janeiro os fundos de investimento perderam mais de 60 mil milhões de dólares, cerca de 54,8 mil milhões de euros, de acordo com os dados da Thompson Reuters Lipper, citados este domingo pelo Financial Times.

Desde a queda do Lehman Brothers, em Setembro de 2008, que o valor retirado dos fundos de investimento em apenas um mês não era tão elevado. O primeiro mês de 2016 marca também o pior início de ano em, pelo menos, duas décadas.

As saídas foram particularmente significativas nos fundos europeus: 42,6 mil milhões de euros, ou seja 78% do total.  

Em declarações ao jornal britânico, o director executivo da consultora Create Research, Amin Rajan, explica que os "investidores estão extremamente nervosos com a possibilidade de um contágio nos mercados. E fugiram após a turbulência nos mercados chineses no início de 2016."

A "fuga" dos fundos investimentos não representa, porém, para já, um problema de liquidez, garante Amin Rajan. Todos os resgates foram pagos "sem nenhum grande problema". Martin Parkes, director de relações governamentais e políticas públicas do BlackRock, confirma que "os fundos não têm problemas de liquidez desde o colapso do Lehman Brothers".

Ainda assim, há quem perspective um ano difícil. "As perspectivas para a indústria de gestão de activos é bastante negativa para 2016", alerta Haley Tam, analista do Citi. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub