Bolsa Direitos do BCP abrem nos 61 cêntimos e penalizam acções  

Direitos do BCP abrem nos 61 cêntimos e penalizam acções  

Os direitos arrancaram a negociar em bolsa bem abaixo do preço teórico, o que está a penalizar as acções do banco.  
Direitos do BCP abrem nos 61 cêntimos e penalizam acções  
.
Nuno Carregueiro 19 de janeiro de 2017 às 08:15

As acções do Banco Comercial Português estão a negociar em terreno negativo pela primeira vez em três sessões, pressionadas pela negociação dos direitos de subscrição do aumento de capital bem abaixo do preço teórico.

 

As acções caem 2,48% para 15,7 cêntimos, depois de ontem terem fechado a sessão nos 16,1 cêntimos. No primeiro dia de negociação em bolsa os direitos estão a ser transaccionados nos 61 cêntimos, bem abaixo do preço teórico que resulta da cotação de fecho de ontem (1,005 euros).

 

Uma diferença substancial (próxima dos 40%) que explica a queda das acções, já que os dois títulos tendem a cotar em equilíbrio. Um direito permite a subscrição de 15 novas acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos cada uma.

 

A cotação de abertura de hoje das acções (15,7 cêntimos) aponta para um valor teórico dos direitos de 90,5 cêntimos, bem cima da cotação efectiva. Já a cotação efectiva dos direitos (61 cêntimos) aponta para um valor teórico das acções de 13,47 cêntimos. Quer isto dizer que os direitos estão "baratos" em relação às acções, sendo que a aquisição dos direitos permite a compra de acções a um preço equivalente de 13,47 cêntimos. 

Minutos depois da abertura da sessão os direitos recuperaram, negociando nos 66 cêntimos. E as acções aprofundaram a queda, desvalorizando 3,73% para 15,5 cêntimos. Apesar da convergência, os dois títulos continuam em forte desequilíbrio

 

São dois os factores que mais deverão determinar a evolução dos direitos. A pressionar está o facto de muitos accionistas que não pretendem acompanhar o aumento de capital terem de vender estes títulos em bolsa. Por outro lado, a Fosun vai ter que comprar mais de 134 milhões de direitos para cumprir a promessa de reforçar no BCP para 30% neste aumento de capital.

 

Os direitos vão negociar em bolsa até 30 de Janeiro, sendo que o período de exercício termina a 2 de Fevereiro. Cada direito permite a compra de 15 acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.

 

Para simular a sua carteira e saber quais os valores teóricos das acções e dos direitos face aos valores a que estão a negociar em bolsa, utilize a calculadora do Negócios.

 

(notícia actualizada às 8:30 com mais informação)




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Estupidez! Parem de vender a qualquer preço... não sabem quantos direitos têm que ser adquiridos pelos chineses? Mesmo comprando ações, têm que trabalhar muito.

PAREM!

Pinto Há 1 semana

Havendo um grande investidor que é obrigado a comprar, é quase um crime haver tanta gente a desbaratar os seus valiosos direitos. É mesmo de quem não percebe nada disto e provavelmente nunca deveria sequer ter comprado ações. Tenho pena. Não são patos, são burros...

BCPatinho Há 1 semana

Estou a vender tudo. Adeus m*erda Banco

Jota Há 1 semana

Para já comandam os vendedores. O mercado está inundado de ordens de venda de direitos de quem não os quer exercer e tem medo de não os conseguir vender. Ainda vai durar algum tempo até se limpar este lastro e depois passam a comandar os compradores, os grandes investidores que TÊM de comprar.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub