Bolsa Direitos do BCP caem mais de 20% na semana

Direitos do BCP caem mais de 20% na semana

As acções do BCP continuam a ser pressionadas pela evolução em terreno negativo dos direitos de subscrição do aumento de capital.
Direitos do BCP caem mais de 20% na semana
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 27 de janeiro de 2017 às 10:15

Os direitos de subscrição do aumento de capital do Banco Comercial Português voltam esta sexta-feira a evoluir em terreno negativo, pressionando em baixa a cotação das acções.

 

Os direitos desvalorizam 4,59% para 64,4 cêntimos e acumulam já uma queda de 21,5% esta semana. Estão agora mais perto do mínimo fixado no primeiro dia de negociação (quinta-feira, 19 de Janeiro) nos 56,5 cêntimos.

 

As acções do banco continuam assim a ser pressionadas pelo desempenho negativo dos direitos, estando esta sexta a recuar 1,97% para 14,4 cêntimos, o que eleva a perda semanal para 8,5%.

 

Esta queda dos direitos reflecte a pressão vendedora sobre os títulos por parte dos accionistas do banco que não pretendem acompanhar o aumento de capital, sendo que neste caso só têm até segunda-feira para vender os direitos em bolsa.

 

Apesar de as acções estarem a ser arrastadas pelos direitos, continuam mais caras que a cotação de equilíbrio tendo em conta o valor dos direitos.

 

A aquisição de um direito a 64,4 cêntimos permite a subscrição de acções com um valor equivalente de 13,69 cêntimos, ou seja, 5% abaixo da actual cotação. Já à cotação das acções corresponde um valor teórico dos direitos de 75 cêntimos, ou seja, 16,5% acima do valor a que estes títulos negoceiam em bolsa.

 

O BCP revelou ontem que o CEO, Nuno Amado, comprou mais de 12 mil direitos de subscrição do aumento de capital, pelo que irá investir perto de 100 mil euros na operação.

Esta sexta-feira, o Jornal Económico avança que a EDP deverá acompanhar o aumento de capital de 1.332 milhões de euros de forma a manter a participação qualificada superior a 2%.

  

Esta situação de acentuado desequilíbrio tem sido a nota dominante na negociação das acções e direitos do BCP. Os direitos arrancaram a negociação na quinta-feira da semana passada bem abaixo do preço de equilíbrio com as acções, tendo recuperado nas duas sessões posteriores.

 

Os direitos negoceiam em bolsa até à próxima segunda-feira, 30 de Janeiro, terminando a 2 de Fevereiro (quinta-feira) o período de exercício. As novas acções deverão ser admitidas à negociação a 9 de Fevereiro.

 

No âmbito do aumento de capital de 1.332 milhões de euros, cada direito permite a compra de 15 acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.

 


A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 27.01.2017

Facto digno de registo: no meio deste processo de aumento de K do BCP apareceu um palhaço qualquer a dizer que tinha 15 mil milhões para comprar crédito manhoso aos bancos portugueses e depois apareceram uns mapas na TV com números de suposto crédito incobrável em que aparecia o BCP com, SE&O, 3 mil e tal milhões de euros.
Das duas, uma: as normas contabilísticas andam a ser espezinhadas e os balanços dos bancos andam a ser aldrabados com a conivência de auditores, revisores e BdP, e estamos perante uma autêntica quadrilha e temos um caso de polícia, ou é mais uma notícia para pressionar a cotação do BCP para baixo e, neste caso, a aventesma que está à frente da gestão do BCP devia vir a público defender a situação e perspetivas do banco. Porque, de acordo com as regras contabilísticas, logo que um crédito seja considerado irrecuperável (reconhecimento da imparidade) deve ser constituida provisão para anular o valor da parte incobrável no balanço (ativo líquido).

comentários mais recentes
O .... pescador ..... solitário ....... 27.01.2017

a minha ordem não volta atrás 200 000 direitos a 1. 99 e vão ser vendidos antes das 12 h 00 de 2ª feira

Anónimo 27.01.2017

Direitos sobem 9% com 34 milhões movimentadas está baixo... provavelmente vou ao AC ainda me vai custar 14.100€... mas é saber esperar...

Anónimo 27.01.2017

OS ENTALADOS DO BCP.

Anónimo 27.01.2017

Vamos a contas do Economico online
total no de direitos 984 m
fosun fica com 30% -295.3
sonangol 18% -177.2
outros de ref 10% - 98.5
1/2 dos pequenos 31% -315 vão ao AC (que deve ser menos)
sobra ainda 100 m a venda sem comprador . Como vai faltar

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub