Obrigações Dívida portuguesa é aposta mesmo com cautelas no lado do "rating"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Dívida portuguesa é aposta mesmo com cautelas no lado do "rating"

Após a recomendação da Comissão Europeia, houve alguns bancos de investimento a emitir análises positivas para as obrigações portuguesas. As agências de "rating" classificaram a saída do PDE como positiva, apesar de salientarem riscos.
Dívida portuguesa é aposta mesmo com cautelas no lado do "rating"
Rui Barroso 26 de maio de 2017 às 07:00

A dívida portuguesa era já uma das que melhor desempenho tinham, este ano, no mundo. E a recomendação de Bruxelas de tirar Portugal do Procedimento por Défices Excessivos (PDE) veio alimentar a percepçã)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 26.05.2017


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

ACHA JUSTO? (a malta dos direitos adquiridos acha)

Os trabalhadores que tem agora 30, 40, 50 ou 60 anos estão a descontar para pagar elevadas pensões aos atuais pensionistas, que na sua maioria deixou de trabalhar aos 50 e tal.

Quando finalmente chegar a sua hora (aos 66 ou mais) vão receber brutalmente menos que os atuais pensionistas, com as mesmas contribuições.

Ou seja, haverá inúmeros casos de pessoas, com as mesmas contribuições, a receber pensões completamente diferentes, apenas porque se reformaram/aposentaram com alguns anos de diferença.

E para cúmulo, os que se reformaram/aposentaram com menos idade são os que recebem as pensões mais elevadas.

comentários mais recentes
Anónimo 26.05.2017


CORTAR JÁ, NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores e pensionistas do privado.

Anónimo 26.05.2017

HAHAHAH agora já aparecem comentadores a afirmar que há especuladores a ganharem com a dívida Portuguesa. HAHAHAH onde andaram quando obrigaram a entrada do FMI/BCE/BM em 2011? Nessa altura não eram especuladores eram salvadores da pátria... Quem hipotecou receitas futuras em 2004?

Anónimo 26.05.2017


A única forma de evitar o aumento da idade da reforma/aposentação é REDUZIR O VALOR DAS PENSÕES ATUALMENTE EM PAGAMENTO.

A realidade que hoje é conhecida de todos (embora alguns tentem a todo o custo escondê-la) mostra-nos que só recalculando todas as pensões atuais, de acordo com os anos de contribuição e os valores efetivamente descontados, pela formula já aprovada para os futuros pensionistas, os sistemas de pensões poderão ser sustentáveis e equitativos para as diferentes gerações.

Anónimo 26.05.2017


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

ACHA JUSTO? (a malta dos direitos adquiridos acha)

Os trabalhadores que tem agora 30, 40, 50 ou 60 anos estão a descontar para pagar elevadas pensões aos atuais pensionistas, que na sua maioria deixou de trabalhar aos 50 e tal.

Quando finalmente chegar a sua hora (aos 66 ou mais) vão receber brutalmente menos que os atuais pensionistas, com as mesmas contribuições.

Ou seja, haverá inúmeros casos de pessoas, com as mesmas contribuições, a receber pensões completamente diferentes, apenas porque se reformaram/aposentaram com alguns anos de diferença.

E para cúmulo, os que se reformaram/aposentaram com menos idade são os que recebem as pensões mais elevadas.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub