Research Dividendo "robusto" leva BPI a recomendar compra de acções da REN

Dividendo "robusto" leva BPI a recomendar compra de acções da REN

O BPI reduziu o preço-alvo da REN em 10%, mas melhorou a recomendação para "comprar" sendo o dividendo "robusto" um dos motivos do "upgrade".
Dividendo "robusto" leva BPI a recomendar compra de acções da REN
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 11 de janeiro de 2018 às 11:28

O BPI tem uma visão mais optimista para as acções da REN, pois apesar de ter reduzido a avaliação das acções em 10% melhorou a recomendação da cotada de "neutral" para "comprar".

 

Numa nota de research publicada esta quinta-feira, 11 de Janeiro, o BPI avança com várias justificações para melhorar a recomendação. Uma delas é o dividendo "robusto" que a empresa liderada por Rodrigo Costa apresenta, pois o "dividend yield" de 6,7% compara de forma favorável com a média do sector de 5,1%.

 

O BPI salienta ainda o facto de os múltiplos da REN estarem a desconto face ao sector, devido ao desempenho das acções, que descem cerca de 10% desde meados de Junho, contra a queda de 5% do Stoxx Utilities e a alta de 6% do PSI-20.

 

O aumento da visibilidade da regulação em Portugal, depois da actualização regulatória anunciada recentemente pela ERSE para o período 2018-2020, também é apontado como um factor positivo. O BPI calcula que os novos parâmetros representam uma queda de 13 milhões de euros nas receitas anuais da cotada.

 

Estas alterações na regulação, o aumento de capital, as aquisições da Portgas e da Electrogas levaram o BPI a actualizar as estimativas para os resultados da REN. O EBITDA para o período entre 2018 e 2020 foi melhorado em 4%, mas os lucros por acção foram revistos em baixa de 20%.

 

Apesar de ter removido o desconto de 10% na avaliação, que se devia à fraca liquidez das acções, o BPI cortou o preço-alvo da REN. A avaliação para o final de 2018 é agora de 3,10 euros, o que representa um corte de 10%.

 

O novo preço-alvo incorpora um potencial de valorização de 23%, que suporta a subida da recomendação para "comprar". As acções seguem hoje a subir 0,08% para 2,52%.

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 

    




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar