Mercados Do Sri Lanka à Google, as apostas do maior fundo da Europa

Do Sri Lanka à Google, as apostas do maior fundo da Europa

O Fundo Soberano da Noruega, um dos maiores do mundo, conseguiu ganhos em 2015. Mas a queda dos preços do petróleo já levou o governo a retirar dinheiro desta entidade.
A carregar o vídeo ...
Rui Barroso 12 de março de 2016 às 10:00

É um dos maiores fundos do mundo, com um poder de fogo de 778 mil milhões de euros. O Fundo Soberano da Noruega foi constituído há 20 anos e tem como objectivo preservar e rentabilizar as receitas petrolíferas do país. É um dos investidores mais globais, com exposição a mercados bolsistas de 67 países.

No entanto, pela primeira vez, o governo norueguês foi obrigado a retirar dinheiro deste veículo de investimento para apostar em políticas económicas para mitigar o efeito da queda dos preços do petróleo no crescimento. Este ano terá retirado 700 milhões de euros do Fundo, segundo a imprensa dinamarquesa citada pela Reuters.

Apesar do simbolismo do primeiro levantamento de fundos, o veículo de investimento ganhou bem mais nos mercados em 2015 do que o montante que o governo norueguês irá utilizar. No ano passado, o valor das suas posições aumentou 34,8 mil milhões de euros (utilizando o câmbio da coroa norueguesa face ao euro no final do ano). Ainda assim, foi o ano com menores retornos desde 2011.

Yngve Slyngstad é, desde 2008, o responsável por gerir a equipa de mais de 500 pessoas de 35 nacionalidade do Fundo Soberano da Noruega.
Yngve Slyngstad é, desde 2008, o responsável por gerir a equipa de mais de 500 pessoas de 35 nacionalidade do Fundo Soberano da Noruega.
Bloomberg


Sem medo do risco


Na tarefa de rentabilizar as pensões futuras dos noruegueses, o fundo liderado por Yngve Slyngstad não tem receio em investir em acções, uma classe de activos com maior risco. Mais de 61% do fundo está alocado nas bolsas. Já as obrigações e o imobiliário absorvem 35,7% e 3,1% do poder de fogo do veículo de investimento.

O Fundo Soberano da Noruega é um dos maiores investidores nas bolsas mundiais. É accionista de mais de nove mil empresas. Em Portugal está presente no capital de 22 cotadas. E é obrigacionista de quase 1.300 entidades, entre dívida governamental e de empresas. No mercado nacional tem alguns títulos de dívida do Estado (apesar da posição ser bem menor do que antes do resgate), da CP, da Refer, da Parpública, da CGD, do BCP e do Santander Totta.

E também não receia apostar em destinos mais exóticos, tendo posições em alguns mercados-fronteira. Começou a investir recentemente em acções do Bangladesh, Botswana, Estónia, Letónia, Lituânia e Sri Lanka, país onde é accionista de 12 empresas.


Além de novas geografias, o fundo norueguês também procura novas oportunidades em empresas estreantes no mercado. Só em 2015, participou em 144 ofertas públicas de venda.

Exposição Global Mais de nove mil acções em carteira O Fundo Soberano da Noruega é accionista de mais de nove mil empresas de 67 países. Em 2015, abriu posições em cotadas de mercados exóticos como o Sri Lanka, o Botswana e o Bangladesh.



As maiores posições

As posições com maior peso na carteira de investimento são em algumas das gigantes dos mercados, com especial incidência no mercado suíço. No final de 2015, tinha 5,36 mil milhões de euros aplicados na Nestlé.

A fechar o pódio das maiores posições, estavam a Apple (4,33 mil milhões de euros) e a farmacêutica suíça Roche (3,64 mil milhões de euros). Na lista das dez maiores posições estavam ainda a Novartis, a Alphabet, a Microsoft, a BlackRock, o HSBC, a Royal Dutch Shell e a britânica Prudential. Em Portugal, a maior posição é na EDP.

Apesar de estas serem em termos absolutos as maiores posições, nem são as empresas em que o fundo tem uma maior proporção do capital. Essa confiança recai na empresa irlandesa do sector de papel Smurfit Kappa (com 9,2% do capital), na cotada finlandesa que opera no sector florestal UPM (7,7% do capital) e na empresa chinesa de serviços financeiros CNinsure (detém 6,8% da empresa).

Na bolsa portuguesa, as maiores participações relativamente à totalidade do capital são na Nos, Ibersol e Pharol, com mais de 3%. O Fundo da Noruega era um dos grandes investidores na antiga PT SGPS e continua a ter posição na "holding" que detém, directa e indirectamente, 27,5% da brasileira Oi.

Na parte da carteira de investimento dedicada às obrigações, o fundo mostra alguma prudência. As maiores posições são em obrigações soberanas dos EUA, do Japão e da Alemanha, que são vistas como das mais seguras pelos investidores. No entanto, na lista das cinco maiores posições em dívida estão também obrigações soberanas do México.

O melhor investimento Alphabet "O investimento na tecnológica norte-americana Alphabet (casa mãe do Google) deu o maior contributo para o retorno do fundo em 2015", refere o relatório anual do Fundo Soberano da Noruega.

As apostas ganhadoras e perdedoras

No meio de tantos investimentos, há sempre apostas ganhadoras e perdedoras. Em 2015, "o investimento na tecnológica norte-americana Alphabet (casa mãe do Google) deu o maior contributo para o retorno do fundo em 2015". Além desta cotada, os maiores contributos positivos vieram da Amazon e da Microsoft.


No entanto, a queda dos preços do petróleo não afectou apenas o orçamento norueguês. Foi também a causa de alguns dos piores investimentos do fundo soberano em 2015. As maiores perdas ocorreram na Royal Dutch Shell. As outras duas posições a darem o contributo mais negativo para o fundo foram a empresa do sector mineiro Glencore e o Banco Santander. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rogério 12.03.2016

Nós também, temos o fundo: Mário Soares e Almeida Santos, Cavaco, Gueterres, Sócrates, Santana Lopes, Passos Coelho e agora, quem diria, também temos um fundo chamado Sri Lanka...e esta hem!

pub
pub
pub
pub