Bolsa Donos da Mayoral reforçam nos CTT

Donos da Mayoral reforçam nos CTT

A firma espanhola que controla a cadeia de roupa infantil Mayoral detém agora 8.492.745 acções dos CTT.
Donos da Mayoral reforçam nos CTT
Nuno Carregueiro 04 de janeiro de 2018 às 17:10

A Indumenta Pueri, que entrou no capital dos CTT em Junho do ano passado, reforçou no capital da empresa de correios portuguesa.

 

De acordo com um comunicado enviado para a CMVM, a firma espanhola que controla a cadeia de roupa infantil Mayoral detém agora 8.492.745 acções dos CTT, que correspondem a 5,6618% do capital da companhia liderada por Francisco Lacerda.

 

Este reforço de posição aconteceu a 29 de Dezembro, já depois dos CTT terem apresentado o plano de corte de custos que prevê a eliminação de 800 postos de trabalho e que foi bem recebido nos mercados accionistas. 

 

A entrada no capital foi coma meta dos 5% a ser superada, aconteceu a 4 de Julho, dia em que os títulos da empresa presidida por Francisco Lacerda negociavam nos 5,566 euros.

 

No comunicado de hoje, a Indumenta Pueri salienta que além da actividade na moda infantil, "tem outras subsidiárias cuja actividade é investir os excedentes de liquidez do grupo no mercado de capitais".

 

A Indumenta Pueri reforça assim o estatuto de accionista de referência dos CTT, sendo apenas superado pela Gestmin, que controla mais de 10%.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O BancoCtt baixou a taxa bruta de remuneração dos depósitos a prazo a partir de 05/01/2018 para 0,15% ao ano.
A taxa anual de inflacção prevista é de 1,5%. Portanto a inflacção é 10 vezes superior à taxa de remuneração.
100.000,00 euros depositados a prazo valem ao fim de um ano menos 1.350,00 euros.
Mas o BancoCtt não é dos piores.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Se o Banco CTT paga 0,15% anual em DP é realmente muito pouco, mas o BPI paga 0,00%. Os juros em DP praticamente desapareceram, resta a quem tem algumas economias virar-se para as obrigações das empresas que pagam a volta de 4%, o problema é que há risco. Risco por risco o melhor de tudo é a BOLSA.

Anónimo Há 1 semana

O BancoCtt baixou a taxa bruta de remuneração dos depósitos a prazo a partir de 05/01/2018 para 0,15% ao ano.
A taxa anual de inflacção prevista é de 1,5%. Portanto a inflacção é 10 vezes superior à taxa de remuneração.
100.000,00 euros depositados a prazo valem ao fim de um ano menos 1.350,00 euros.
Mas o BancoCtt não é dos piores.

Anónimo Há 1 semana

Os CTT são a minha cotada preferida de momento.

Anónimo Há 1 semana

As notícias são boas para os CTT e quando assim é a cotação sobe. O CTT descapitalizou exageradamente, agora é natural que suba bem. Os CTT são a melhor aposta na bolsa portuguesa, pois tem muita margem para subir e em termos de AT, está com um RSI que aguenta subidas. Os CTT vão subindo, respirando e sempre subindo. Gosto.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub