Bolsa Dow Jones fica a 0,37 pontos da fasquia dos 20 mil

Dow Jones fica a 0,37 pontos da fasquia dos 20 mil

Os índices norte-americanos fecharam a semana em novos recordes, com o Dow Jones a menos de 1 ponto de atingir a fasquia dos 20 mil pontos.
Dow Jones fica a 0,37 pontos da fasquia dos 20 mil
Reuters
Nuno Carregueiro 06 de Janeiro de 2017 às 21:14

Foi por muito pouco, mas ainda não foi desta. O Dow Jones esteve à beira de quebrar a fasquia dos 20 mil pontos, mas não a conseguiu atingir. Na parte final da sessão o índice norte-americano negociou nos 19.999,63 pontos, o que ainda assim representa um novo máximo histórico. O Dow Jones acabou a sessão a subir 0,34% para 19.966,20.

 

Os restantes índices norte-americanos também atingiram recordes. O S&P500 subiu 0,49% para 2.280,13 pontos e o Nasdaq valorizou 0,6% para 5.521,05 pontos.

 

No acumulado da semana, a primeira de 2017, Wall Street registou ganhos acima de 1%, na melhor prestação do último mês. As bolsas norte-americanas têm beneficiado com a divulgação de dados económicos positivos e hoje voltou a acontecer o mesmo.

 

O ganho de hoje surge no dia em que foi revelado que o número de postos de trabalho criados, em Dezembro, foi de 156 mil empregos no mês de Dezembro, abaixo do estimado pelos economistas, que apontavam para 175 mil novos postos de trabalho. Apesar do registo ter ficado abaixo do esperado, foi suficiente para garantir que 2016 foi o sexto ano consecutivo em que a economia norte-americana criou mais de 2 milhões de postos de trabalho, o que evidencia A robustez da maior economia do mundo.

 

Já a remuneração dos trabalhadores aumentou 2,9% face a Dezembro de 2015, o que traduz o maior aumento desde 2009. Este aumento dos salários elevou a especulação em torno de mais subidas de juros nos EUA, além dos três que já estão a ser antecipados.

 

Os números divulgados pelo Departamento do Trabalho "são saudáveis e justificam a reacção do mercado", afirmou à Bloomberg Gennadiy Goldberg, da TD Securities, adiantando que a saída de investidores das obrigações para as acções tem "pernas para andar" e deverá intensificar-se assim que Trump assumir a presidência dos EUA e o Congresso começar a aprovar as medidas.

 

A expectativa em relação à subida de juros provocou nova subida do dólar e impulsionou as cotações das acções do sector financeiro. O Goldman Sachs e a Visa valorizaram mais de 1% e as tecnológicas também registaram uma sessão positiva, com a Apple e a Microsoft a subirem mais de 1%.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
INVESTIDOR Há 1 semana

PORTUGAL PRECISA DE UM TRUMP. O CRESCIMENTO NA AMERICA VAI CRESCER ESTES QUATRO ANOS, QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA, 70% DOS AMERICANOS INVESTEM EM AÇÕES,

Johnny Há 1 semana

O mundo está louco !
BULLISH BULLISH ! COMPRA CRLHO, COMPRA !

Jorge Figueira Há 1 semana

1929 também foi assim , subia subia até que desceu .

pub