Bolsa Dow Jones: mais de um século à espera dos 20 mil pontos

Dow Jones: mais de um século à espera dos 20 mil pontos

O índice industrial americano superou a barreira psicológica dos 20 mil pontos pela primeira vez. Expectativa de que Trump promova diminuições de impostos e regulamentações e aumente despesa pública sustentam ganhos generalizados em Wall Street.
Dow Jones: mais de um século à espera dos 20 mil pontos
Reuters
David Santiago 25 de janeiro de 2017 às 17:18

Pela primeira vez na história o índice industrial norte-americano Dow Jones atingiu, e superou, a barreira psicológica dos 20 mil pontos. Depois de ter ultrapassado esta marca durante a negociação intradiária desta quarta-feira, 25 de Janeiro, nesta altura o Dow Jones negoceia a valorizar 0,76% para 20.063,98 pontos, encaminhando-se assim para aquela que poderá ser também a primeira vez em que este índice fecha acima dos referidos 20 mil pontos.

 

Foram necessários mais de 120 anos, desde que o Dow Jones começou a ser calculado em 1896, para se chegar a esta marca dos 20 mil pontos. A CNN escreve que neste período passaram pela Casa Branca 22 presidentes, que tiveram de lidar com 22 recessões, uma Grande Depressão (1929) e pelo menos dois "crashs" bolsistas.

 

Para que esta longa viagem permitisse alcançar a marca dos 20 mil pontos foram decisivos, em especial, os últimos sete anos. Porque ao rebentar da bolha imobiliária nos Estados Unidos e à falência do Lehman Brothers, em 2008, e perdas subsequentes derivadas dos receios em torno do colapso do sistema financeiro, seguiu-se uma fase de ganhos para o Dow Jones que, desde Março de 2009, mais do que triplicou.

 


O Dow Jones beneficiou ainda daquele que é o segundo mais longo período de "mercado touro" (caracterizado pelo optimismo e elevada confiança dos investidores de que os activos financeiros continuarão a subir) em toda a história. 
Conhecido como um índice bolsista industrial, o Dow Jones integra os títulos accionistas de 30 grandes cotadas industriais.

Quando foi lançado, em 1896, o Dow Jones integrava somente 12 cotadas, sendo que a General Electric (GE) é a única que se mantém até aos dias de hoje. Foi em 1928 que atingiu as 30 companhias, que desde então têm variado mediante a evolução das próprias e do mercado.

 

O efeito Trump


Se é certo que a tendência de valorização do Dow Jones acontece desde Março de 2009, foi desde Novembro que a mesma se tornou mais acentuada. O dia 8 de Novembro foi a data que marcou a vitória de Donald Trump nas presidenciais norte-americanas. É também o dia que assinala o reforço do optimismo dos investidores de Wall Street face às políticas económicas e financeiras anunciadas pelo então ainda presidente eleito dos EUA.

 

É a isto que os mercados e a imprensa económica chamam de "efeito Trump", que já hoje se congratulou pela marca alcançada, com um característico "Great!". Este efeito decorre da expectativa de que Donald Trump prossiga políticas assentes na redução da carga fiscal sobre as famílias e, principalmente, as empresas, e na diminuição das regulamentações e regras aplicadas a sectores como o financeiro ou ambiental. E ainda num forte investimento público dirigido à construção e reabilitação de infra-estruturas tais como pontes e estradas.

Este optimismo já tinha feito com que no passado dia 6 de Janeiro o Dow Jones tivesse fixado um novo máximo histórico muito próximo da barreira dos 20 mil pontos. Se o índice fechar a sessão de hoje acima desta marca, tal significa que terá precisado de 42 sessões - a contar a partir da primeira em que fechou acima dos 19 mil pontos - para valorizar mil pontos, o que será o segundo melhor desempenho da história quando em causa está uma valorização igual ou superior a mil pontos.

A melhor performance foi conseguida entre 29 de Março e 3 de Maio de 1999, série em que o Dow Jones precisou de apenas 24 dias de negociação bolsista para ir dos 10 mil aos 11 mil pontos. Ir dos 18 aos 19 mil pontos exigiu 483 sessões bolsistas, o equivalente a quase dois anos. 

As principais marcas do Dow Jones ao longo da história recordadas pela CNN

26 de Maio de 1896 – Foi a primeira sessão bolsista do Dow Jones, que fechou o dia nos 40,94 pontos. Em Agosto do mesmo ano cairia 30% para o mínimo histórico de 28,48 pontos.
Janeiro de 1906 - O Dow Jones encerrou uma sessão pela primeira vez nos três dígitos.

Outubro de 1929 – No dia 28 de Outubro, que antecedeu a quinta-feira negra de 29 de Oububro, o Dow Jones perdeu 38 pontos, perdendo mais 31 pontos no dia seguinte, o que na altura equivaleu a quedas de 13% e 12%, respectivamente. Estes desempenhos continuam a figurar entre os piores de sempre para o índice bolsista.

14 de Novembro de 1972 – Após cerca de 13 anos em que o Dow Jones não sofreu grandes alterações, o índice chega pela primeira vez aos mil pontos, logo depois de Richard Nixon ter sido reeleito presidente dos Estados Unidos.

Crash de 1987 – No dia 19 de Outubro de 1987 o Dow Jones afundou 508 pontos, o equivalente a uma queda de 23%, ainda hoje a maior queda diária registada pelo índice. No entanto, em menos de um ano o Dow Jones já tinha recuperado para níveis pré-crise.

10 mil pontos – No dia 29 de Março de 1999 o Dow Jones atingiu os 10 mil pontos numa época em que se vivia o período que ficaria para a história como o da "bolha tecnológica". O rebentar desta bolha atiraria o Dow Jones para uma desvalorização próxima de 30% em Setembro de 2001, mês marcado pelos atentados terroristas que visaram em particular Nova Iorque e Washington.

Crise financeira de 2008-2009 – A crise financeira desencadeada em 2008 fez com que o Dow Jones perdesse cerca de metade do seu valor bolsista num período inferior a um ano. O pior dia foi mesmo o de 29 de Setembro de 2008, sessão em que o Dow Jones perdeu 778 pontos, a maior perda diária da história do índice. Esta foi a sessão que se seguiu à decisão do Congresso de rejeitar um resgate à banca americana no valor de 700 mil milhões de dólares.

15 mil pontos – Num dos períodos mais fortes de mercado touro, em 7 de Maio de 2013 o Dow Jones atingiu a marca dos 15 mil pontos. Numa fase marcada pelo optimismo, o Dow subiu de 14 para 15 mil em apenas dois meses. Também agora a valorização de 19 para 20 mil se deu num período de cerca de dois meses. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ESPEREM MAIS UNS TEMPOS E VERÃO COMO É 26.01.2017

Esperem pela pancada, como costuma dizer-se.
Esperem pelo fim do estado de graça do Trampas, ou seja, até começar a sentir-se a retracção da economia norte-americana, com as suas vendas para o estrangeiro a começarem a baixar drasticamente e então falaremos, como disse e muito bem NICOLAU SANTOS.

pub