Bolsa Dow Jones supera barreira psicológica dos 24.000 pontos

Dow Jones supera barreira psicológica dos 24.000 pontos

As principais bolsas dos EUA abriram em alta, com o Dow Jones a entrar no patamar dos 24.000 pontos, naquele que constitui um novo máximo histórico.
Dow Jones supera barreira psicológica dos 24.000 pontos
Reuters
Carla Pedro 30 de novembro de 2017 às 14:40

O Dow Jones abriu em grande a sessão desta quinta-feira, a somar 0,46% e a marcar um novo máximo de sempre nos 24.051,28 pontos.

No passado dia 25 de Janeiro, a euforia tinha sido total: o Dow Jones atingia pela primeira vez o mítico patamar dos 20.000 pontos, fechando acima dessa fasquia. Pouco mais de um mês depois, a 28 de Fevereiro, o índice entrou bem lançado nos 21.000 pontos, num dia em que os mercados reagiram com agrado ao primeiro discurso de Donald Trump no Congresso dos EUA.

 

Quatro meses depois, a 2 de Agosto, o Dow Jones já estava confortavelmente no nível dos 22.000 pontos, impulsionado sobretudo pelos bons resultados empresariais. A fasquia dos 23.000 pontos foi superada a 17 de Outubro e agora chegam os 24.000 pontos.

 

O destaque na valorização sobretudo do Dow Jones está na retoma das tecnológicas e na evolução positiva no que diz respeito à reforma fiscal de Trump que hoje será votada pelo Senado norte-americano [já foi aprovada pela Câmara dos Representantes].

 

Também o Standard & Poor’s 500 segue em alta, a somar 0,41% para 2.637,36 pontos, o que corresponde a um novo recorde.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite, que ontem esteve em contraciclo e fechou em baixa, está também a ganhar terreno, com uma subida de 0,54% para 6.861,18 pontos, mas ainda sem chegar ao seu máximo histórico de 6.914,19 pontos atingido na terça-feira.

O impulso republicano no sentido de se aprovar a legislação fiscal no Senado tem estado a evoluir favoravelmente, sublinha a Reuters. Isto devido ao facto de estarem a decorrer acordos "nos bastidores" com vista a assegurar votos suficientes.

Se a ambiciosa reforma fiscal de Trump avançar, uma das grandes bandeiras será a forte redução do IRC, o que irá animar ainda mais as cotadas. 

O sector da energia também está a ter um bom desempenho, sustentado pela subida dos preços do crude nos mercados internacionais – na expectativa de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e outros grandes produtores acordem um prolongamento do actual acordo de corte de produção.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub