Bolsa E já vão 34 máximos históricos para o Dow Jones. Só este ano

E já vão 34 máximos históricos para o Dow Jones. Só este ano

As bolsas do outro lado do Atlântico encerraram em alta, com os bons dados económicos a terem mais peso do que as preocupações em torno da investigação sobre a alegada ingerência russa nas eleições presidenciais do ano passado.
E já vão 34 máximos históricos para o Dow Jones. Só este ano
Bloomberg
Carla Pedro 04 de agosto de 2017 às 21:10

O Dow Jones foi, uma vez mais, a estrela da sessão. O índice tem estado a bater sucessivos máximos históricos e esta semana não falhou um único dia. Hoje chegou a terreno nunca antes explorado ao tocar, na negociação intradiária, nos 22.089,05 pontos – o 34º valor mais elevado de sempre só este ano.

 

O índice também estabeleceu um recorde de fecho, ao terminar a somar 0,29% para 22.090,92 pontos. Esta foi a 10.ª sessão consecutiva do Dow Jones no verde, naquela que é já a sua série de subidas mais longa do ano.

 

Também o Standard & Poor’s 500 seguiu a tendência altista, encerrando a ganhar 0,19% para 2.476,83 pontos, assim como o tecnológico Nasdaq Composite, que avançou 0,09% para 6.345,86 pontos.

 

Estes dois índices têm os seus máximos históricos fixados no passado dia 27 de Julho, mas o S&P 500 anda muito perto de marcar um novo recorde – com efeito, o seu valor mais elevado está nos 2.484,04 pontos e hoje chegou, a meio da jornada, a estar a apenas um ponto de o igualar.

 

A sustentar este optimismo estiveram sobretudo os bons dados económicos. Os investidores gostaram dos dados do emprego nos EUA, relativos a Julho: foram criados 209 mil postos de trabalho na maior economia do mundo, superando as estimativas dos economistas. Além disso, a taxa de desemprego caiu para 4,3%.

 

Por outro lado, foi também divulgado que o rendimento das famílias norte-americanas aumentou, o que reforçou a confiança na economia dos EUA – dando à Reserva Federal mais um motivo para proceder a uma terceira subida dos juros de referência este ano, como aliás sempre disse que faria, no sentido da normalização da política monetária.

 

Recorde-se que a 29 de Junho de 2006, ainda sem se suspeitar da crise financeira mundial que aí vinha, a Fed subiu os juros de 5,00% para 5,25%. Ben Bernanke acabara de se estrear como presidente da instituição monetária. Mas os mercados contraíram e 15 meses depois Bernanke anunciava um corte para 4,75%. Desde então, foi sempre a descer até ao mínimo histórico entre 0% e 0,25% imposto em Dezembro de 2008. 

 

Depois disso, a Reserva Federal esteve sete anos sem mexer nas taxas de juro. Fê-lo pela primeira vez em Dezembro de 2015, altura em que deu início ao processo de subida dos juros directores – que estiveram, assim, quase uma década sem serem aumentados.

 

Os mercados continuam atentos ao anúncio de mais resultados empresariais e também ao contexto político. Com o comício de Donald Trump ontem em West Virginia, a agenda política do presidente norte-americano parece estar a retomar, o que anima os investidores que esperam que o chefe da Casa Branca cumpra o prometido: forte investimento em infra-estruturas e uma vasta reforma fiscal e regulatória.

Desde 8 de Novembro, dia das eleições norte-americanas que ditaram Trump como sucessor de Barack Obama, as bolsas de Wall Street já subiram 20%, conforme destaca hoje o The Wall Street Journal.

Contudo, pendem receios de tensões numa altura em que se aprofundam as investigações sobre a alegada ingerência do Kremlin nas eleições presidenciais dos EUA no ano passado com o intuito de favorecer o candidato republicano.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Deus pode nao salvar Há 2 semanas

DE UMA BOLHA QUE NAO ESTARA PARA MUITO TEMPO. ACHA QUE VAI ATINGIR SEMPRE MAXIMOS, ISTO NAO TEM NADA A VER COM O BCP, SE ISSO ACONTECER VAI SER E EM TODE A EUROPA,

UM SÓ MILAGRE eu peço a DEUS Há 2 semanas





QUE VOLTE A DAR A VIDA AQUELES 64 POBRES INOCENTES que morreram no incêndio de PEDROGÃO e que no seu LUGAR coloque TODOS estes PORCOS NOJENTOS dos SHORTS que numa semana AFUNDARAM o BCP + de 20 % e que os envie para o INFERNO

pub