Bolsa EDP e Galp colocam bolsa de Lisboa na linha de água

EDP e Galp colocam bolsa de Lisboa na linha de água

O início da última sessão do ano está a ser de perdas ligeiras em Lisboa e no resto da Europa. O BCP continua a recuperar de mínimos históricos enquanto o PSI-20 se encaminha para um balanço anual negativo em 12%.
Paulo Zacarias Gomes 30 de Dezembro de 2016 às 08:11
A derradeira sessão do ano está a ser de quedas muito ligeiras para a bolsa portuguesa, que alinha assim com as pares europeias. O principal índice nacional caminha hoje para encerrar 2016 com um balanço negativo, de cerca de 12%, depois de as praças asiáticas terem encerrado mistas e Nova Iorque ter terminado o dia no vermelho.

O PSI-20 recua 0,04% para os 4.666,38 pontos, com oito títulos em queda, seis em terreno positivo e quatro inalterados, depois de os últimos dias terem sido marcados pela reduzida liquidez típica deste período de final de ano.

A contribuir para as quedas estão as acções do universo EDP (a EDP Renováveis cai 0,07% para 5,94 euros e a EDP cede 0,48% para 2,911 euros). As retalhistas Sonae e Jerónimo Martins juntam-se ao tom vermelho, a recuarem cerca de 0,25%.

Já o avanço da Galp (0,18% para 14,23 euros) impede maiores recuos da praça portuguesa, numa altura em que os preços do petróleo nos mercados internacionais registam valorizações ligeiras. O West Texas Intermediate ganha 0,39% em Nova Iorque - para 53,98 dólares - , ao passo que em Londres o barril de Brent cota em 57,12 dólares, uma subida de 0,47%.

Também o BCP está entre os títulos que valorizam em Lisboa (0,1% para os 1,051 euros), a recuperar de mínimo histórico e a encaminhar-se para um final de ano que pode vir a ser o pior para a acção desde 2011.

O comportamento do sector financeiro é indefinido, com o BPI inalterado nos 1,128 euros, à espera que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários proceda ao registo da OPA sobre o banco português, em que são oferecidos 1,134 euros por acção.

As unidades de participação do Montepio recuam 0,24% para 42 cêntimos, depois de a assembleia-geral da caixa económica ter pedido que o Montepio garanta que cumpre os objectivos do mutualismo e dois dias depois de conhecidos os reparos dos Banco de Portugal a falhas no controlo de branqueamento de capital no banco.

Entre as praças europeias, apenas Milão se destaca com ganhos (0,13% para 19.228,55 pontos), com o sector financeiro entre os ganhos, numa sessão em que o banco Monte dei Paschi continua com a negociação suspensa.

(Notícia actualizada às 8:26 com mais informação)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
zeca Há 3 semanas

Pois e a injeção de mais de 500 milhões de ações dos chinocas no mercado

ALBINO MATEUS Há 3 semanas

EDP, COM AGRAVAMENTO DA DIVIDA MAIS DE 1.000 MILHÕES SÓ NO 1º SEMESTRE DESTE ANO, UMA DÍVIDA COLOSSAL A RONDAR OS 18.000 MILHÕES, NÃO ESPEREM MILAGRES, PORQUE A COTAÇÃO EM BREVE NOS 2.50 EUROS

pub