Obrigações EDP vai ao mercado e reduz custo médio da dívida

EDP vai ao mercado e reduz custo médio da dívida

A eléctrica suportou um custo de 1,59% para colocar obrigações a 10 anos, o que se situa abaixo dos 1,93% suportados pela República na semana passada numa emissão similar.
EDP vai ao mercado e reduz custo médio da dívida
Miguel Baltazar/Negócios
Raquel Godinho 14 de novembro de 2017 às 20:04

A EDP financiou-se, esta terça-feira, numa emissão de dívida a dez anos onde conseguiu suportar juros mais baixos do que o Estado. Esta emissão teve como objectivo reduzir o custo médio e aumentar o prazo médio da dívida, explicou o CFO da empresa. Nuno Alves adiantou ainda que a empresa deverá continuar a recorrer aos mercados de dívida.

  

A EDP foi, esta terça-feira, ao mercado e realizou a emissão de títulos a 10 anos, conseguindo uma taxa de juro de 1,59%, inferior à suportada pela República quando na semana passada colocou Obrigações do Tesouro com a mesma maturidade e à taxa mais baixa de sempre ("yield" média de 1,93%).

 

Esta operação, com a qual encaixou 500 milhões de euros, teve como objectivo "conciliar o aumento do prazo médio da dívida da EDP com a redução do seu custo médio", explicou Nuno Alves ao Negócios. "A EDP aproveitou o bom momento dos mercados internacionais, em particular o apetite dos investidores por prazos longos, para emitir a 10 anos com um cupão historicamente baixo (1,5%)", frisou o CFO da eléctrica.

 

Nuno Alves acrescentou ainda que a EDP "é emitente frequente nos mercados internacionais de dívida", sendo esta a terceira colocação realizada este ano. Isto porque, em Janeiro, a EDP emitiu 600 milhões de euros com prazo de 6,5 anos e cupão de 1,875% e, em Junho, realizou também uma emissão de mil milhões de dólares a sete anos.

 

"É expectável que nos próximos anos o Grupo continue a recorrer aos mercados de internacionais de dívida, continuando a captar a atenção de grandes investidores institucionais, como fundos de pensões, gestores de activos e seguradoras, de diferentes geografias (França, Benelux, Reino Unido, Alemanha, Espanha, Portugal, Estados Unidos, etc)", concluiu o CFO da empresa.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

É obvio que a EDP paga menos. Tem um rating melhor que o da Republica Portuguesa! Mas vamos ver durante quanto tempo porque chapa ganha, chapa gasta e a divida continua igualzinha. No dia que deixa de emitir divida...será o descalabro. Mexia e este tipo destruíram a EDP.

pub