Mercados Elisa Ferreira: “Supervisão só é possível se o cidadão tiver formação”

Elisa Ferreira: “Supervisão só é possível se o cidadão tiver formação”

O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros vai alargar a actuação do Plano Nacional de Formação Financeira. Carlos Costa quer apostar no “e-learning” e em vídeos virais no Youtube.
Elisa Ferreira: “Supervisão só é possível se o cidadão tiver formação”
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Barroso 03 de abril de 2017 às 14:22
Os supervisores do sector bancário, dos mercados financeiros e dos seguros querem intensificar a actuação do Plano Nacional de Formação Financeira. E Elisa Ferreira refere que a literacia financeira é essencial para o sucesso da supervisão. "A supervisão só é possível se o cidadão comum tiver um nível mínimo de formação" para lidar com aplicações financeiras e para gerir o recurso ao crédito.

A administradora do Banco de Portugal referiu, na reunião da Assembleia-Geral do Plano Nacional de Formação Financeira realizada esta segunda-feira, que se não houver informação disponível para os cidadãos melhorarem os níveis de formação financeira, "a função de supervisor fica difícil. Diria mesmo impossível". E compara o problema da iliteracia financeira a condutores que não conhecem as regras do código da estrada e não sabem dos riscos.

Também Filomena Oliveira, vice-presidente da CMVM, refere que a "missão é proteger os investidores e aforradores, principalmente os mais pequenos". Mas realça que "mais do que proteger, a missão da CMVM inicia-se na formação". E revela que há quem aceda "a valores mobiliários muitas vezes sem ter o conhecimento para a tomada de decisão" de investimento.

A responsável da CMVM sublinha ainda que os mercados financeiros estão mais complexos, mais rápidos e com menos intervenção humana, o que leva a que o supervisor tenha de fazer "um acompanhamento de maior proximidade".

PME, autarquias, escolas e "e-learning" são prioridades

Para incentivar a promoção da literacia financeira, o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF) arrancou em 2011 com o Plano Nacional de Formação Financeira. Este plano conta com acções de formação em escolas e também com protocolos com vários parceiros de forma a incentivar a formação financeira em Portugal. Elisa Ferreira sublinha que a nível internacional, os supervisores têm também dado mais prioridade à formação financeira. Até porque, considera, o sector financeiro acumula riscos.

Um dos próximos passos consiste em trabalhar também com autarquias, sendo que em Junho será um assinado um protocolo com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, que permitirá a formação financeira de técnicos de autarquias e aproximar também o Plano Nacional de Formação Financeira aos públicos-alvo.

O presidente do CNSF e também governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, quer ainda incentivar o "e-learning" para alargar a actuação do Plano Nacional de Formação Financeira. E sugere que se utilize o Youtube para se ter "capacidade para sermos virais em matéria de literacia financeira". O objectivo é chegar a "novos grupos populacionais".

Outra das prioridades que o governador do Banco de Portugal estabelece no Plano Nacional de Formação Financeira é na área de micro, médias e pequenas empresas, destacando a importância da informação financeira junto dos empresários e gestores, já que considera que as suas "competências são indispensáveis para o crescimento económico".

A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 03.04.2017

Essa perua pifou? Ou então está a gozar com a maralha. Só pode ser.
O problema da supervisão, de qualquer supervisão em Portugal é a de que nenhum supervisor assume a função a sério. Até os polícias multam quando estão chateados e deixam passar se estiverem bem dispostos.
Quem vai para essas funções já sabe que deve fazer como os outros fizeram antes: fazer de conta. Fazer de conta e aproveitar os privilégios e mordomias. Se alguém tiver mostrado rigor, competência e que leva as coisas a sério jamais será convidado para um cargo desses. Só se for por distracção e a pessoa só se revelar quando já está em funções, mas se isso acontecer os gangues de serviço tratarão de lhe complicar a vida e fazer-lhe sentir que não foi para levar aquilo a sério que foi contratado.
No caso do BdP acresce que a maior parte de quem lá anda não pesca nada do que se passa.
Nota: lidei durante uns 20 anos com o Banco de Portugal na sua, dele, função de regulador e supervisor. Sei do que falo.

comentários mais recentes
pertinaz 03.04.2017

UI... ASSIM SENDO MAIS VALE NEM TOMARES POSSE ... ARRE !!!

Conselheiro de Trump 03.04.2017

O poema rima mal,ele nao e do manel alegre?

J. SILVA 03.04.2017

Que trio!! Qual deles o mais manhoso. O mais alto foi designado para liquidar o BES mau. À data da resolução o tinha um capital p. de 4000 M€. Esse fulano vendeu tudo ao desbarato, fez troca e baldrocas com o Novo B. em prejuízo do BES e agora o capital é negativo em 10 000 M€. Agora rumou ao Bdp.

Mr.Tuga 03.04.2017

Qual "formação"?!?!?
A do Largo dos RATOS?!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub