Bolsa Energia concentra mais de 40% das recomendações

Energia concentra mais de 40% das recomendações

A par das companhias do sector energético, a Jerónimo Martins destaca-se entre as cotadas mais analisadas pelos analistas.
Energia concentra mais de 40% das recomendações
Pedro Esteves
Patrícia Abreu 06 de julho de 2017 às 08:30
Foram perto de cinco centenas as notas de investimento analisadas pelo Relatório Anual sobre a Actividade de Supervisão
e Análise Financeira, mas há um pequeno grupo de empresas que concentra o grosso destas recomendações. Mais de 43% das análises dos analistas recaiu, no último ano, sobre empresas do sector da energia.

Galp Energia, EDP e EDP Renováveis continuam a ser as empresas da bolsa portuguesa que recolhem maior atenção por parte dos bancos de investimento nacionais e internacionais. No total, das recomendações emitidas pelos intermediários financeiros em 2016, 38,4% diziam respeito a estas empresas. Juntando a REN, a outra energética da bolsa lisboeta, a percentagem de análises que têm como alvo o sector da energia sobe para 43,2%.

A petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva é a mais analisada, com 16% das recomendações totais. A par da energia, a Jerónimo Martins é outra das empresas nacionais no radar dos analistas estrangeiros, recebendo 10,4% das notas. "EDP, a EDP Renováveis, a Galp Energia e a Jerónimo Martins foram as empresas que mereceram maior atenção das casas de investimento (em conjunto, 48,8% do total de recomendações identificadas)", detalha o relatório da CMVM.

Em termos de perspectivas de investimento, "as acções emitidas pelos CTT e pela NOS, tal como no ano anterior, juntamente com as da Jerónimo Martins, apresentam uma maior percentagem de recomendações de ‘comprar’ face às de ‘vender’, sucedendo o oposto com as da EDP (o que já se tinha verificado no período homólogo) e com as do BCP".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub