Bolsa Energia dá gás a Lisboa e leva PSI-20 para os ganhos

Energia dá gás a Lisboa e leva PSI-20 para os ganhos

O sector da energia retirou o PSI-20 das perdas, numa altura em que a Pharol também já segue com sinal positivo. Na Europa, as bolsas seguem sem tendência definida.
Energia dá gás a Lisboa e leva PSI-20 para os ganhos
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 14 de fevereiro de 2017 às 11:14

A bolsa nacional já inverteu a tendência negativa do início da sessão, impulsionada pela evolução dos títulos da energia. Nesta altura, o PSI-20 ganha 0,3% para 4.610,42 pontos, com dez cotadas em alta, quatro em queda e três inalteradas.

Esta reviravolta coincidiu com a divulgação dos dados do INE que mostram que o PIB português subiu 1,9% no último trimestre de 2016 e 1,4% no conjunto do ano – um valor acima da previsão de Bruxelas (1,3%), bem como da do Governo português (1,2%).

Na Europa, os principais índices dividem-se entre ganhos e perdas, numa altura em que os investidores ainda estão a digerir os dados do Eurostat sobre o PIB da Zona Euro e ad União Europeia. A região da moeda única cresceu 0,4% no quarto trimestre, face aos três meses anteriores, o que representa uma revisão em baixa face à estimativa inicial divulgada o mês passado, que apontava para um crescimento de 0,5%.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, cai 0,12% para 369,69 pontos, depois de ter atingido ontem o valor mais elevado desde Dezembro de 2015.

Por cá, as cotadas do sector da energia são as que mais impulsionam o PSI-20, com destaque para o grupo EDP. A empresa-mãe valoriza 1,18% para 2,833 euros enquanto a EDP Renováveis soma 1,33% para 6,232 euros.

Ainda neste sector, a REN ganha 0,61% para 2,632 euros e a Galp Energia valoriza 0,22% para 13,94 euros. Numa nota revelada ontem, o Caixa BI estima que os lucros da Galp tenham recuado 35,6% em 2016 face ao ano anterior. Os resultados serão conhecidos no próximo dia 21 de Fevereiro.

Além da energia, também a Pharol está a contribuir para os ganhos do PSI-20, com uma subida de 1,04% para 38,8 cêntimos. Esta manhã, os títulos da antiga PT SGPS chegaram a afundar mais de 12%.

Na sessão de ontem, a empresa liderada por Palha da Silva encerrou em forte queda, corrigindo parte das subida recentes que a levaram a duplicar de valor desde o início do ano. Estes ganhos foram motivados pelo optimismo em torno da recuperação judicial da brasileira Oi, que tem como maior accionista a Pharol.

No retalho, o sentimento divide-se entre a subida de 0,12% da Sonae para 82,2 cêntimos e a descida de 0,15% da Jerónimo Martins para 16,135 euros.

O BCP segue inalterado em 14,51 cêntimos.




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Manuel dos Santos 14.02.2017

Doente mental do Sarapatilhas ll fica com dor de corno quando os outros estão bem
És mesmo maluco meu
Fica com a tua papeleira Navigato e deixa os outros de mão.
Só tens e mesmo dor de cotovelo.
Apreende a jogar e deixa de encher as paginas do Jornal de negocios com a tua maluquice e inveja
Estas mal?
Apanha o comboio da PHAROL meu maluco.

comentários mais recentes
pharol fundido 14.02.2017

em breve .... muito em breve ..... os acionistas da pharol vão ser obrigados a pagar a divida ASTRONOMICA da oi 200 MIL MILHÕES DE EUROS .... tenham cuidado .... para não .... ficarem ....sem .... o carrinho ......

Beiras 14.02.2017

Bem, o bcp está um marasmo! Qual é a probabilidade de subir? A tendência é decrescente mas os fundamentais estão melhores. O mercado é soberano mas parece que ainda não decidiu para o de quer ir. Para já está moderadamente a descer, mas a descer e a seguir a tendência. Sem força, é certo mas a descer. Ou muito me engano ou se descer o Amado fica em muitos maus lençóis!

Land Rover 14.02.2017

O BCP passou de patinho feio a único banco nacional privado de dimensão, o único com participação acionista considerável de pequenos acionistas e definitivamente o único banco privado que para já depende de gestão inteiramente nacional e com alguma independência. Isto vale pouco?Muito pelo contrário

Anónimo 14.02.2017

Comprem BCP e fiquem muito quietinhos, que vão ganhar, uma pipa de massa.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub