Bolsa Energia e Jerónimo Martins dão abertura positiva ao PSI-20

Energia e Jerónimo Martins dão abertura positiva ao PSI-20

A bolsa nacional acompanha a tendência positiva das congéneres europeias, que prolongam o optimismo da sessão asiática. Por cá, a Galp Energia, a EDP Renováveis e a Jerónimo Martins são as empresas que mais impulsionam.
Rita Faria 18 de Outubro de 2016 às 08:18

A bolsa nacional abriu em alta esta terça-feira, 18 de Outubro, com o PSI-20 a ganhar 0,34% para 4.615,08 pontos.

Lisboa está em linha com as principais praças europeias, que estão a prolongar o optimismo da sessão asiática, depois de os dados decepcionantes sobre a indústria norte-americana terem colocado dúvidas sobre a possibilidade de a Fed subir os juros até ao final do ano.

Esta terça-feira, os investidores continuam atentos aos resultados das empresas referentes ao terceiro trimestre, antes da reunião mensal do BCE, agendada para esta quinta-feira.

No plano nacional, a Jerónimo Martins e as cotadas da energia são as que mais impulsionam o PSI-20. Neste sector, a Galp Energia valoriza 0,85% para 12,39 euros, numa altura em que o petróleo segue com sinal verde nos mercados internacionais. A EDP sobe 0,58% para 2,962 euros e a EDP Renováveis soma 0,79% para 7,024 euros.

Já a Jerónimo Martins valoriza 0,53% para 16,045 euros, numa altura em que a sua congénere do retalho, a Sonae, avança 0,44% para 69,2 cêntimos. 


Na banca, o BPI negoceia inalterado em 1,129 euros e o BCP avança 0,64% para 1,57 euros. Como o Negócios adianta na edição desta terça-feira, os quatro maiores accionistas do BCP estenderam a passadeira para que o grupo chinês Fosun entre no capital do banco, ao tomarem a iniciativa de propor o aumento do limite de votos na instituição dos actuais 20% para 30%.

Esta alteração, tal como o aumento do número máximo de administradores, visa dar resposta a duas das condições que o conglomerado liderado por Guo Guangchang impôs para investir no banco liderado por Nuno Amado.

Do lado das descidas destacam-se a Nos e a Mota-Engil. A operadora liderada por Miguel Almeida perde 1,11% para 5,727 euros, depois de o BPI ter baixado o preço-alvo para as acções em trinta cêntimos, para 6,40 euros, mantendo a recomendação de "neutral". 

A construtora, por seu lado, desce 5,01% para 1,762 euros. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


Os ladrões de esquerda

SÓCRATES GATUNO & COSTA LADRÃO, deitam Portugal ao chão.

O BPN nacionalizado pelo PS, já custou 7 mil milhões aos contribuintes portugueses.

O prejuízo dos contribuintes no BES, liquidado pelo PSD, ficará limitado á participação da CGD no fundo de resolução (cerca de mil milhões).

O BANIF liquidado pelo PS, vai custar 3 mil milhões aos contribuintes portugueses.

Quem é que rouba mais os portugueses, quem é?


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


Os ladrões de esquerda

SÓCRATES GATUNO & COSTA LADRÃO, deitam Portugal ao chão.

O BPN nacionalizado pelo PS, já custou 7 mil milhões aos contribuintes portugueses.

O prejuízo dos contribuintes no BES, liquidado pelo PSD, ficará limitado á participação da CGD no fundo de resolução (cerca de mil milhões).

O BANIF liquidado pelo PS, vai custar 3 mil milhões aos contribuintes portugueses.

Quem é que rouba mais os portugueses, quem é?


pub