Bolsa Energia e Nos dão segunda sessão positiva à bolsa portuguesa

Energia e Nos dão segunda sessão positiva à bolsa portuguesa

Os papéis da Galp estão entre os que mais somam esta manhã, depois de anunciar um aumento de mais de 60% na produção de petróleo no terceiro trimestre. As negociações em Lisboa estão em linha com a Europa que recupera de mínimos de três meses.
Paulo Zacarias Gomes 14 de Outubro de 2016 às 08:11
A praça portuguesa começa o último dia da semana em terreno positivo, com as cotadas do sector energético - em particular a Galp - e a Nos a sustentarem as valorizações.

Lisboa segue em linha com a Europa, onde as negociações recuperam de mínimos de três meses registados ontem, agora com notícias positivas da China: os preços na produção cresceram pela primeira vez desde 2012 e a inflação subiu mais que o esperado.

O índice PSI-20 intensificou os ganhos do início da sessão e avança agora 0,75% para 4.593,35 pontos, somando duas sessões de valorizações esta sexta-feira, 14 de Outubro, com 13 cotadas em terreno positivo, três sem alterações e duas em queda.

A Galp é, no índice PSI-20, o título que mais avança - 1,12% para 12,6 euros - depois de a energética ter apresentado os resultados preliminares da operação no terceiro trimestre, com um aumento de mais de 60% na produção de petróleo e uma queda nas margens de refinação de referência para o sector.

A suportar os ganhos estão ainda os avanços da Nos, que interrompem três sessões de quedas, subindo 0,77% para 5,782 euros. Ainda o universo EDP, com a Renováveis a ganhar 0,8% para 6,923 euros e a EDP a valorizar 1,11% para 2,914 euros.

Também a Jerónimo Martins, que nesta sessão já tocou máximos de mais de três anos (Julho de 2013), nos 16,07 euros, após o Caixa BI ter ontem estimado que os lucros da empresa terão duplicado até Setembro, para 510 milhões de euros. Os papéis da retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos somam agora 0,56% para 16,035 euros.

No sector financeiro, depois de o CaixaBank prever, na sequência da OPA, reduzir custos com pessoal no BPI em 45 milhões de euros, implicando a saída de 1.000 trabalhadores (na óptica da administração), os títulos do banco liderado por Fernando Ulrich avançam 0,09% para 1,13 euros. O BCP ganha 0,65% para 0,0155 euros. 

A Mota-Engil ganha 0,4% para 1,779%, depois de ter apresentado, na quinta-feira, o seu plano estratégico para 2020, em que prevê quase duplicar o seu volume de negócios para 4 mil milhões de euros.

Do lado das quedas, só a Sonae Capital, que recua 0,89%, e a Pharol, que cede 0,4%.

(Notícia actualizada às 08:42)



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

ctt será desta que inverte a tendencia? Todo o cuidado é pouco, porque hoje tudo sobe na segunda pode ser o contrário.

ALTRI Há 3 semanas

Alguém quer receber dividendos (grandes) ainda este ano da ALTRI?
Alguém quer receber dividendos (grandes) outra vez em Maio da ALTRI?

CUROKA Há 3 semanas

tens algo melhor neste momento deixa lá a sonae SGPS.
Olha a NOVABASE, que é quase certo que vai distribuir um dividendo extra de 1.00€/ação aos seus acionistas.
price target subiu de 2.55, para 3.55€.

Fica vêm.

Anónimo Há 3 semanas

Este trajecto da SONAE SGPS,tem um sentido que dá ideia que está a ser feito propositadamente por alguém que sabe o que está a fazer e o que vai acontecer!

ver mais comentários
pub