Obrigações Espanha vai deixar de pagar às grandes agências de rating

Espanha vai deixar de pagar às grandes agências de rating

A dívida espanhola é “tão relevante” que “não precisa de pagar a agências”. Foi assim que o ministro das Finanças, Luis de Guindos, explicou o facto de Espanha ter anunciado que vai rescindir contrato com a última grande agência de “rating”.
Espanha vai deixar de pagar às grandes agências de rating
Sara Antunes 23 de janeiro de 2018 às 15:26

Espanha decidiu rescindir com a última grande agência de "rating" que ainda emitia notas no âmbito de um contrato com o Tesouro espanhol. Este ano terminará o contrato que Espanha tem com a Standard & Poor’s. No ano passado terminou o contrato com a Fitch e, em 2016, com a Moody’s. Espanha manterá o contrato com a DBRS.

 

Apesar de Madrid deixar de pagar para ter a avaliação destas agências não será por isso que deixará se ser alvo de análise. Por exemplo, Portugal rescindiu o contrato com a S&P em 2014, mas continua a ser avaliado por esta agência.

 

"O tema do ‘rating’ é normal. Acredito que estamos a entrar numa fase de normalização das relações do Tesouro espanhol com os investidores internacionais", explicou o ministro das Finanças de Espanha, Luis de Guindos, em Bruxelas, após a reunião de ministros das Finanças da União Europeia (UE), citado pela agência Efe.

 

O responsável adiantou ainda que "todas as agências de ‘rating’ vão avaliar a dívida espanhola". Guindos sublinhou que "não se trata de poupança de custos". A decisão foi tomada porque "a dívida espanhola é tão relevante que logicamente não precisa de pagar a nenhuma agência de ‘rating’".

 

"Vejam o que se passa em países à nossa volta, na Alemanha e em França, e a verdade é que não há contratos do Tesouro com as agências de ‘rating’", acrescentou.

Esta decisão surge depois de na passada sexta-feira a Fitch ter elevado o "rating" de Espanha de "BBB+" para "A-". 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
ss 24.01.2018

Se fosse o Podemos a decidir isto não faltariam os comentadores de bandeira na lapela dizer que era uma irresponsabilidade. Felizmente que em 2011 por cá houve dois partidos que não reconheceram legitimidade à Troika para decidir o futuro do país. Obrigado a eles!

Anónimo 23.01.2018

Lá vai a Dívida Soberana Espanhola para o LIXO! Não pagam às agências de rating levam com o LIXO em cima! Pimba! Toma e embrulha! Ahahaahhhaaa!

General Ciresp 23.01.2018

Estou a lembrar-me de quando era mais jovem entrava em competicoes de atletismo e tinha de pagar.Visto bem eu ia ampliar o espetaculo e tinha de pagar por isso.No caso dos beordelares o ditado diz:doi menos a prevencao do q a cura e tambem sao eles q chamam ou afastam os investidores.

Anónimo 23.01.2018

Por acaso desde 2013 que Portugal só paga a uma agência (Moody´s) após concurso publico.

ver mais comentários
pub