Bolsa Espanhol Liberbank dispara quase 30% após proibição de "short-selling"

Espanhol Liberbank dispara quase 30% após proibição de "short-selling"

As acções do espanhol Liberbank estão a recuperar parte das perdas registadas nas últimas sessões, que reduziram praticamente a metade a sua capitalização bolsista.
Espanhol Liberbank dispara quase 30% após proibição de "short-selling"
DR/Alberto García Fernández
Rita Faria 12 de junho de 2017 às 11:22

As acções do espanhol Liberbank estão a disparar na bolsa de Madrid esta segunda-feira, 12 de Junho, depois de a Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) de Espanha ter proibido as vendas a descoberto – "short-selling" – durante um mês, na sequência das fortes quedas registadas nas últimas sessões.

Os títulos avançam 28,53% para 87,4 cêntimos, depois de terem chegado a disparar um máximo de 36,47% para 92,8 cêntimos durante a manhã.

Na semana passada, a entidade espanhola perdeu quase metade do seu valor em bolsa, penalizada pelo efeito Popular e pelos receios dos investidores de que possa vir a ser forçada a aumentar capital para cobrir perdas em activos imobiliários e no crédito malparado.

Na sexta-feira, dois dias depois da resolução do Popular - comprado por um euro pelo Santander – as acções do Liberbank encerraram a sessão a cair 17,58%, depois de terem chegado a afundar 37,45%.

Só em dez sessões, a entidade perdeu quase 44% da sua capitalização bolsista, o que levou o regulador espanhol dos mercados a decretar a proibição do "short-selling".

"Depois de avaliar todas as circunstâncias, em particular a evolução, durante os últimos dias, da cotação das acções do Liberbank, que foi afectada por fortes descidas e uma elevada volatilidade num contexto em que não há informações negativas difundidas pela entidade, e a muito provável relação entre tal evolução (…) e a resolução do Banco popular, a CNMV considerou apropriado proibir a realização de vendas a descoberto e operações similares em relação a esse título", explica a CNMV em comunicado.

A medida, que estará em vigor até ao próximo dia 12 de Julho, poderá, contudo, ser prolongada ou até mesmo levantada antes da data prevista.

A Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) emitiu hoje a sua opinião em relação à medida acordada, considerando que é apropriada e que a sua duração é justificada", acrescenta a CNMV.

"O Liberbank tem o mesmo tipo de problemas que o Banco Popular tinha, com um baixo rácio de cobertura, um rácio elevado de activos tóxicos e muitos activos duvidosos," disse à Bloomberg, na sexta-feira, o analista Nicolas Lopez, da Mercados y Gestion de Valores.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Criador de Touros 13.06.2017

Concordo com o t. Quem manda são os idiotas. Cumprimentos

Skizy 12.06.2017

Este vai seguir o caminho do Popular, esta a fazer as rapas certas para o fim, para aqueles que diziam que o resgate a moda de Espanha era muito melhor que o aplicado em Portugal, acho que esta na hora de reconhecer que os problemas estão la como em Portugal!

t 12.06.2017

infelizmente nesta trampa de país não há quem deite a mão aos criminosos que praticam o short.se cá fosse proibida esta prtática de vender o que não têm o bcp por exemplo já devia estar ao dobro do valor vergonhoso que tem.0,235 cents ação do maior banco privado português é no mínimo ridículo!...

pub