Obrigações Estado financia-se em 700 milhões com juros mais altos

Estado financia-se em 700 milhões com juros mais altos

O Tesouro concluiu o plano de financiamento. Angariou 700 milhões de euros em obrigações do Tesouro a cinco anos, segundo a Bloomberg. Mas a taxa foi a mais alta de 2016 para esta maturidade.
Estado financia-se em 700 milhões com juros mais altos
Bruno Simão
Rui Barroso 23 de Novembro de 2016 às 10:44

Os juros subiram na última emissão do ano. Para emitir 700 milhões de euros em obrigações do Tesouro a cinco anos, o Estado pagou um juro de 2,112%. Foi a taxa mais alta em leilões de dívida a cinco anos realizados este ano. Na última operação comparável, realizada no final de Outubro, a taxa tinha sido de 1,751%.

O valor colocado esta quarta-feira esteve perto do intervalo máximo do montante indicativo, que era de entre 500 milhões a 750 milhões de euros. Já a procura excedeu em 1,92 vezes a oferta, em linha com o último leilão semelhante, segundo dados da Bloomberg.

A taxa paga pelo Estado foi penalizada pela reapreciação das obrigações a nível global, que provocou subidas nos juros a nível global, uma tendência a que a dívida portuguesa não escapou. E, dado o maior risco das obrigações nacionais, os juros portugueses acabaram por ser dos mais penalizados. 

 

"Assim que vi a taxa tive um sobressalto. É uma subida considerável de mais de 25 pontos base no espaço de um mês", refere João Queiroz. O director de negociação do Banco Carregosa explica este factor com "o aumento da percepção dos investidores sobre o risco da dívida portuguesa. Apesar de não termos aumentado o risco face a Espanha ou Itália, a distância que nos separa das taxas alemãs está nos valores mais elevados do último mês. É notório que os investidores estão a exigir um prémio maior e também talvez tenha sido por isso que o Tesouro decidiu não emitir o montante máximo previsto."

Já José Lagarto, gestor de activos da Orey Financial, considera que "numa altura em que a tendência das taxas de juro a nível global é de subida, a colocação perto do máximo proposto poderá ser encarada como bem-sucedida".


No entanto, nos dois primeiros dias da semana houve algum alívio no mercado de dívida nacional, o que ajudou a mitigar esse impacto no leilão. Além disso, o Tesouro anunciou esta terça-feira o reembolso antecipado de mais 2.000 milhões de euros ao FMI. Um sinal que foi interpretado de forma positiva pelos analistas. "Fazer o reembolso é um sinal de confiança sobre a capacidade de executar o financiamento do próximo ano", referiu David Schnautz, estratego do Commerzbank. 

(Notícia actualizada às 11:13 com comentários de analistas )




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos Há 2 semanas

Como se constata, o MUNDO acredita que somos capazes e gente séria..Já diz o provérbio Português com papas e bolos se enganam os tolos..E os tolos gostam de ser enganados. É que conversa fiada só enche a barriga a politicos de boa qualidade, mas gestores de péssima envergadura. Novembro chegou portanto vamos aguardar..133.1% do PIB?? Crescimento de 0.8% (previsão inicial de 2.4%)? Como se constata, está tudo a correr bem..PPC falou uma vez no diabo, Costa e o gang todos os dias brincam com ele, veremos se afinal o diabo existe ou não. Eu estou certo que sim!! Ou virá por, novamente, mais impostos, ou por colapso do país..
Nunca o investimento na economia esteve tão baixo, mas os salários da FP (que eles se incluem) foram repostos, aumento do sub. refeição, descongelamento de carreiras, admissão de contratados...Existe metade de um país a subsidiar o "LUXO" de outra metade. A esta politica designa-se de COMUNISMO. Nicolás Maduro não precisa de lutar por pão e leite nas lojas...

comentários mais recentes
Blondie Há 1 semana

If you wrote an article about life we'd all reach entthgienmenl.

Namari Há 1 semana

Life is short, and this article saved vabulale time on this Earth.

pertinaz Há 2 semanas

A ESQUERDALHA CANALHA METEU A VIOLA NO SACO

Anónimo Há 2 semanas

Farto-me de rir com os comentários dos pafs que por aqui andam. Lixo a 5 anos a 2% ? .. bem bom .. como cantava a amiga do láparo.

Resposta de pertinaz a Anónimo Há 2 semanas

PALERMA

CONGRATULA-SE COM AS DESGRAÇAS DO PAÍS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub