Obrigações Estado levou emissões de títulos em Portugal a atingir o valor mais alto desde 2011

Estado levou emissões de títulos em Portugal a atingir o valor mais alto desde 2011

As emissões líquidas de títulos de dívida e de acções subiram em 2016, para o valor mais elevado desde 2011, segundo dados do Banco de Portugal. A perda de valor dos títulos do Estado também foi a maior em cinco anos.
Estado levou emissões de títulos em Portugal a atingir o valor mais alto desde 2011
Bruno Simão/Negócios
Rui Barroso 09 de fevereiro de 2017 às 12:42

As emissões de títulos de dívida e de acções por parte de residentes atingiram em 2016 o valor mais elevado em cinco anos. E foram as operações de financiamento do Estado a contribuir para essa subida. "No ano de 2016, as emissões líquidas (emissões brutas deduzidas de amortizações) de títulos por residentes registaram o valor mais elevado desde 2011, situando-se nos 4,6 mil milhões de euros", refere o Banco de Portugal, numa nota de informação estatística.

 

O grande responsável por este valor foi o Estado. "As administrações públicas emitiram, em termos líquidos, um total de 11,8 mil milhões de euros em 2016, sendo, pelo terceiro ano consecutivo, o sector institucional com o valor mais elevado", revela a entidade liderada por Carlos Costa.

 

Já a banca, aproveitou 2016 para amortizar mais títulos do que os que emitiu. "O sector financeiro registou emissões líquidas negativas pelo quinto ano consecutivo, com o valor de -8 mil milhões de euros em 2016". Nos últimos cinco anos, o valor dos títulos emitidos pela banca reduziu-se em um terço. "O sector financeiro registou no final de 2016 um saldo de títulos emitidos de 119 mil milhões de euros, o que representa uma redução de cerca de um terço relativamente a 2011, e que resulta, sobretudo, de emissões líquidas negativas nos últimos 5 anos".

 

Preço de mercado de títulos do Estado com maior quebra em cinco anos

 

E apesar do aumento das emissões líquidas de títulos por parte do Estado, "o saldo em final de ano de títulos emitidos por residentes manteve a tendência de descida verificada desde 2013, atingindo, no final de 2016, o valor de 423,5 mil milhões de euros, menos 4,8 mil milhões de euros do que em 2015". No entanto, a redução do valor dos títulos emitidos teve a ver sobretudo com a descida da cotação desses instrumentos nos mercados.

 

No caso dos títulos de dívida das administrações públicas, o Banco de Portugal constata mesmo que a "desvalorização ocorrida no ano de 2016 correspondeu à maior perda de valor desde 2011, o que resultou da evolução do valor dos títulos em mercado secundário". No ano passado o preço das obrigações portuguesas teve mesmo um dos piores desempenhos do mundo




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
investidor1 Há 1 semana

https://goo.gl/forms/3f25LE6Qekr0VWo22

Obrigado.

pub