Obrigações Estado planeia “um a dois” leilões de obrigações do Tesouro até final do ano

Estado planeia “um a dois” leilões de obrigações do Tesouro até final do ano

O IGCP divulgou esta segunda-feira as linhas de actuação para o último trimestre. Além das operações de longo prazo, agendou três datas para emitir em maturidades mais curtas.
Estado planeia “um a dois” leilões de obrigações do Tesouro até final do ano
Pedro Elias/Negócios
Rui Barroso 03 de Outubro de 2016 às 17:47

O IGCP planeia avançar com "um a dois leilões" de obrigações do Tesouro (OT) até final do ano. Além destas emissões, a agência de gestão da dívida pública planeia ainda angariar entre 3.000 milhões e 3.750 milhões de euros em leilões de dívida de curto prazo. Apesar de estas serem as linhas de actuação para o quarto trimestre, o IGCP refere que "acompanhará activamente a evolução das condições de mercado, podendo introduzir ajustamentos às presentes linhas de actuação".

No que diz respeito às OT, o principal instrumento de financiamento do Estado, a nota da entidade liderada por Cristina Casalinho refere que "no próximo trimestre, o IGCP liderado por Cristina Casalinho (na foto) prevê a realização de um a dois leilões de OT, sendo esperadas colocações de 750 a 1000 milhões de euros por leilão.

Segundo a última apresentação a investidores feita pelo IGCP, a 22 de Setembro, a agência previa ir buscar ao mercado 2.000 milhões de euros até final do ano em dívida de médio e longo prazo. Desde o início do ano até aquela data tinha-se financiado, através de OT, em 15.500 milhões de euros.

Próximo leilão de curto prazo agendado para 19 de Outubro

Para os bilhetes do Tesouro (BT), no último trimestre o IGCP planeia realizar três duplos leilões. O primeiro está já agendado para 19 de Outubro. Nessa operação, que incidirá em títulos a três e a 11 meses, o montante indicativo de entre 750 milhões a 1.000 milhões de euros. Já a 16 de Novembro, num leilão de BT a seis e a 12 meses, o Estado pretende financiar-se em entre 1.500 milhões e 1.750 milhões de euros.

A última operação de financiamento e curto prazo do ano ficou agendada para 7 de Dezembro. Nesse leilão, o Estado conta obter entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros em títulos a três e a 11 meses.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Tiago Abelha 03.10.2016

Mais ???? Dassssss ainda a pouco tempo disseram que era a ultima vez este ano que iam emitir divida .... inacreditável .....

comentários mais recentes
Luis Moreira 04.10.2016

PARA OS BISNETOS PAGAREM A DÍVIDA.

Anónimo 03.10.2016

Esta deve ter o prémio de vendedora de papel do ano. A portucel ainda a vai contratar.

Amel Ribeiro 03.10.2016

buraco sem fundo ao que Portugal chegou com o governo do Costa,PCP ,BE e PS , para onde caminha este país à deriva !!!!!!

Tiago Abelha 03.10.2016

Mais ???? Dassssss ainda a pouco tempo disseram que era a ultima vez este ano que iam emitir divida .... inacreditável .....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub