Câmbios Euro atinge novo mínimo de 14 anos

Euro atinge novo mínimo de 14 anos

A moeda europeia continua a ser pressionada pela divergência entre a política monetária do BCE e da Fed e está cada vez mais próxima da paridade.
Euro atinge novo mínimo de 14 anos
Bloomberg
Nuno Carregueiro 20 de dezembro de 2016 às 13:55

O euro continua a perder terreno face ao dólar, com a moeda europeia a ser penalizada pela perspectiva de subida de juros nos Estados Unidos e continuação da política monetária expansionista na Zona Euro.

 

O euro está a recuar 0,37% para 1,0363 dólares, tendo esta manhã tocado num mínimo de Janeiro de 2003 nos 1,0352 dólares. Operadores citados pela Bloomberg dão conta que a fraca liquidez que caracteriza este período de Natal também está a contribuir para acentuar a força do dólar contra as principais divisas mundiais. Nas últimas seis sessões o euro apenas numa delas ganhou terreno face ao dólar.  

 

A moeda europeia regista já o terceiro mês consecutivo de quedas. Fechou Setembro nos 1,1235 dólares, recuou 2,26% em Outubro, desvalorizou 3,57% em Novembro e no acumulado deste mês já desvaloriza mais de 2%. Em 2017 o euro deprecia 4,5% face ao dólar.

    

O dólar tem vindo a ganhar terreno nos últimos tempos contra as principais divisas mundiais devido sobretudo aos efeitos da vitória de Donald Trump. Os planos do presidente eleito para a economia norte-americana passam pelo reforço do investimento público, o que poderá impulsionar a inflação.

 

Esta expectativa veio reforçar as estimativas de subida da taxa de juro de referência nos Estados Unidos, o que beneficia a moeda norte-americana. A Fed subiu a taxa de juro para entre 0,5% e 0,75% e deu indicações que poderão ocorrer mais três aumentos em 2017.

 

Em sentido inverso, o Banco Central Europeu mantém a política de estímulos monetários, que apesar de ter sido ajustada na reunião de Dezembro, foi prolongada até ao final do ano.

Euro atingiu novo mínimo desde Janeiro de 2003

   




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 20.12.2016


ESTADO NÃO DEVE PAGAR REGABOFE DOS LADRÕES FP / CGA

OS DESCONTOS DOS BENEFICIÁRIOS CGA, NÃO CHEGAM PARA PAGAR… NEM METADE DA PENSÃO QUE RECEBEM

Não é verdade que as pensões em abono correspondam ao valor dos descontos dos beneficiários.

As pensões auferidas são muito superiores às que os pensionistas teriam direito caso apenas se utilizassem os respetivos descontos capitalizados para as pagar.

Com pressupostos muito otimistas, não seria sequer possível pagar 50% das pensões que a CGA atualmente paga, caso apenas se contassem os descontos legais feitos a favor do pensionista ao longo da sua carreira.

comentários mais recentes
Anónimo 20.12.2016

O paridade do Euro vs Dolar Americano, quando foi criado o Euro, era para ser 1€ = 1USD, felizmente agora está voltando para esse valor, assim as exportação ficam mais "baratas" para quem compra e com isso poderemos aumenta-las.

Anónimo 20.12.2016

Acho piada à "política de estímulos monetários"...Eu explico os 3 efeitos Mário Draghi: 1-Desvalorização do Euro, q é o mesmo q cortar no poder d compra, isto é, nos salários e pensões; 2-Levar países c/gov´s irresponsáveis como o n/ a endividarem-se desalmadamente;3-Dar d ganhar milhões ao sist fin

Anónimo 20.12.2016


ESTADO NÃO DEVE PAGAR REGABOFE DOS LADRÕES FP / CGA

OS DESCONTOS DOS BENEFICIÁRIOS CGA, NÃO CHEGAM PARA PAGAR… NEM METADE DA PENSÃO QUE RECEBEM

Não é verdade que as pensões em abono correspondam ao valor dos descontos dos beneficiários.

As pensões auferidas são muito superiores às que os pensionistas teriam direito caso apenas se utilizassem os respetivos descontos capitalizados para as pagar.

Com pressupostos muito otimistas, não seria sequer possível pagar 50% das pensões que a CGA atualmente paga, caso apenas se contassem os descontos legais feitos a favor do pensionista ao longo da sua carreira.

pub