Câmbios Euro em máximo de dois anos já sobe mais de 12% em 2017

Euro em máximo de dois anos já sobe mais de 12% em 2017

A moeda única europeia continua a subir face ao dólar, acumulando um ganho superior a 12% em 2017. Se o ano terminasse hoje, o euro teria o melhor desempenho dos últimos 14 anos.
Euro em máximo de dois anos já sobe mais de 12% em 2017
Sara Antunes 02 de agosto de 2017 às 11:41

O euro está a subir 0,27% para 1,1834 dólares, tendo já tocado nos 1,1868 dólares esta manhã, o que corresponde ao valor mais elevado desde Janeiro de 2015.

 

A moeda única europeia mantém assim a tendência de ganhos registada nos últimos meses, elevando para 12,6% a subida desde o início do ano. Se o euro terminar o ano com uma subida desta dimensão será o melhor desempenho da moeda desde 2003, ano em que valorizou 20%.

 

Este é mesmo o primeiro ano em quatro em que o euro está a subir frente ao dólar, depois de a crise de dívida soberana ter atingido a região, provocando desconfiança, numa altura em que os EUA começaram a recuperar fôlego e em que se começou a debater a retirada de estímulos económicos, nomeadamente a subida de juros.

 

O que acabou por acontecer, pela primeira vez, no final de 2015. Este ano, os juros nos EUA já subiram por duas vezes, tendo colocado o preço do dinheiro num intervalo entre 1% e 1,25%, em Junho.

 

Na Zona Euro, a taxa de juro continua em 0% e o programa de compra de activo continua intacto. Prevendo-se que se mantenha por mais tempo. Pelo menos, as indicações deixadas pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, no final da reunião de Julho, apontam para que não haja qualquer pressa em retirar os apoios à economia.

 

A contribuir para subida do euro tem estado, essencialmente, a desconfiança em relação aos EUA. Com os investidores receosos em relação à capacidade da administração Trump implementar as medidas com que se comprometeu na campanha eleitoral.

 

Além disso, apesar das taxas de juro na Zona Euro estarem em mínimos históricos, a renovação do compromisso do BCE de apoiar a economia também tem contribuído para que os receios em relação à região diminuam, numa altura em que a economia está a dar sinais de recuperação.

 

Ainda na terça-feira, 1 de Agosto, o Eurostat revelou os dados do produto interno bruto (PIB) do segundo trimestre do ano da Zona Euro, tendo reportado o ritmo de crescimento mais rápido desde 2011, com a economia a crescer 2,1% quando comparado com o mesmo período do ano passado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar