Bolsa Eventual investimento do SoftBank leva acções da Swiss Re para máximos de seis anos

Eventual investimento do SoftBank leva acções da Swiss Re para máximos de seis anos

A seguradora suíça Swiss Re estará a negociar com os japoneses do SoftBank a possível compra de uma participação minoritária. As acções da empresa de seguros dispararam já para o valor mais elevado em seis anos.
Eventual investimento do SoftBank leva acções da Swiss Re para máximos de seis anos
Ana Laranjeiro 08 de fevereiro de 2018 às 11:19

Os japoneses do SoftBank estarão interessados em comprar até um terço da seguradora helvética Swiss Re, de acordo com fontes da Bloomberg. A seguradora suíça já confirmou que as negociações estão a decorrer. Contudo, estão ainda numa fase inicial. A operação pode ser avaliada em cerca de 10 mil milhões de dólares.

As acções da seguradora, uma das maiores do mundo, estão já a reagir no mercado suíço, tendo já disparado para máximos de seis anos. Os títulos por esta altura ganham 4,44% para 94,18 francos suíços, tendo já disparado 6,79% para 96,30 francos suíços, o valor mais elevado intradiário desde Novembro de 2011.

Este interesse do conglomerado japonês acontece depois de ontem ter sido revelado pela companhia que pretende realizar uma oferta pública inicial (IPO na sigla em inglês) da sua operação doméstica de telecomunicações, segundo a Bloomberg.

A separação das actividades – essencialmente a área de investimento e a área de telecomunicações – vai trazer "uma grande clareza e por conseguinte melhor resposta às várias necessidades dos investidores", dizia um comunicado de ontem do SoftBank, citado pela agência de informação.

Daniel Bischof, analista da Baader Helvea, citado pela agência, considera que "o anúncio de ontem é totalmente surpreendente dado que a maioria das combinações no espaço das resseguradoras/seguradoras comerciais está entre os dos principais ‘players’ da indústria".

"Contudo, dada a visão tecnológica do SoftBank, a Swiss Re faz sentido enquanto alvo dadas as suas capacidades extraordinárias [na área] de pesquisa e desenvolvimento".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.