Bolsa Expectativas em torno da reforma fiscal animam Wall Street

Expectativas em torno da reforma fiscal animam Wall Street

As bolsas dos Estados Unidos abriram em alta animadas pelas expectativas em torno do anúncio - esperado para hoje - do plano de reforma fiscal da administração Trump.
Expectativas em torno da reforma fiscal animam Wall Street
Reuters
Rita Faria 27 de setembro de 2017 às 14:34

As bolsas norte-americanas abriram em alta esta quarta-feira, 27 de Setembro, pela segunda sessão consecutiva, animadas pelas expectativas em torno do anúncio da reforma fiscal nos Estados Unidos, que prevê uma descida acentuada dos impostos sobre as empresas.

 

O industrial Dow Jones ganha 0,28% para 22.346,42 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valoriza 0,54% para 6.414,79 pontos. Já o S&P500 avança 0,33% para 2.504,99 pontos. 

 

Depois de vários meses de impasse, espera-se que, esta quarta-feira, Donald Trump e um grupo de republicanos apresentem a tão prometida reforma fiscal que, segundo a Bloomberg, prevê uma descida do IRC de 35% para 20% e uma taxa de IRS máxima de 35%. A agência noticiosa avança que o número de escalões é reduzido de sete para três, com a possibilidade de acrescentar um quarto escalão para os rendimentos mais elevados, com uma taxa superior a 35%.

 

Recorde-se que a reforma fiscal foi uma das promessas de Donald Trump que mais contribuiu para a subida das acções, juntamente com o reforço dos gastos em infraestruturas e um alívio na regulação, devido ao seu potencial para impulsionar o crescimento da economia.   

 

A animar as acções estão ainda as declarações da presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos que, na terça-feira, reiterou a vontade da Fed de normalizar "gradualmente" a política monetária, reforçando a convicção de que o banco central vai anunciar uma nova subida dos juros em Dezembro.

 

Os comentários de Yellen estão ainda a suportar o dólar, que negoceia em máximos de um mês face às principais congéneres mundiais.

 

A probabilidade apontada pelo mercado de um novo aumento dos juros este ano subiu de 71,4%, há uma semana, para 81,4%.

 

Em destaque na sessão de hoje está a Micron Technology, que dispara 5,68% para 36,12 dólares, depois de a empresa ter apresentado resultados superiores ao esperado.

 

Em sentido contrário, as acções da Nike deslizam 3,93% para 51,59 dólares, penalizadas pelo anúncio da empresa de que as suas vendas cresceram ao ritmo mais lento em sete anos e que as receitas do mercado norte-americano deverão recuar ainda mais. 




pub