Mercados Famílias duplicam peso na dívida do Estado
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Famílias duplicam peso na dívida do Estado

Desde Outubro de 2013, altura em que foram lançados os Certificados do Tesouro Poupança Mais, o Tesouro captou mais de 17.000 milhões de euros junto das famílias, que detêm cerca de 12% da dívida directa do Estado.
Famílias duplicam peso na dívida do Estado
Bruno Simão
Rui Barroso 19 de abril de 2017 às 00:01

Primeiro foram os Certificados do Tesouro Poupança Mais. Mais recentemente, as Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável. Desde finais de 2013 que a agência que gere o crédito definiu como prioridade reconquistar

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.04.2017

O excedentário é pago com impostos e dívida pública com origem em credores externos. O sobrepagamento efectuado ao excedentário ainda lhe dá para aforrar e adquirir títulos de dívida junto do Estado. Depois o Estado cobra mais impostos e emite mais dívida junto de credores externos e títulos de tesouro para os excedentários, cada vez em maior número face às necessidades e cada vez mais sobrepagos por via de progressões e outros bónus, comprarem. De seguida vem eleição e o excedentário vota em quem promove o excedentarismo e endivida e taxa o resto da população para sustentar esta forma de pilhagem e extorsão continuada. De seguida entram os bancos cá do burgo. Concedem créditos de todos os tipos, formas e feitios aos excedentários e exigem ao governo mais excedentários para terem mais clientes a quem conceder mais crédito. Os juros sobem. Nova ronda de aumentos a pedido dos sindicatos dos excedentários e a pedido dos bancos. Bancarrota. Troika. Governo impopular por um mandato. Repete.

comentários mais recentes
Anónimo 19.04.2017

A corrupção é a maior aliada do excedentarismo. Onde há uma, existe a outra. Ambas são duas faces da mesma moeda. Da má moeda chamada despesismo. A missão e propósito dos bons governantes, com ou sem a ajuda e orientação de técnicos e outros recursos do FMI, da UE e da OCDE, é criar condições para expulsar essa má moeda e não a deixar voltar a circular nas nossas economias e sociedades.

Anónimo 19.04.2017

Mais de um terço de toda a dívida pública dos governos em redor do mundo é actualmente emitida com taxas de juro negativas. Portugal não está incluído nesse grupo de avançadas economias e sociedades sustentáveis e mais desenvolvidas onde os mercados laborais, de matérias-primas, de capitais e de bens e serviços são saudavelmente cada vez mais fortes, modernos e dinâmicos. Nessas jurisdições os mercados são cada vez mais mercados e não feudos e conluios anacrónicos e ineficientes que geram iniquidade e insustentabilidade como em Portugal e na Grécia, ou numa outra escala, como na Venezuela e na Coreia do Norte.

Anónimo 19.04.2017

A 10 anos o juro é ainda uma enormidade se comparado com os juros negativos da dívida japonesa, alemã e suíça. Os governos da Suécia, Holanda e França estão a ser pagos para pedir emprestado na maioria dos prazos! Até Espanha e Itália pedem emprestado e são pagos por isso nos prazos mais curtos de até 2-3 anos! Nem no prazo mais curto a dívida que a República Portuguesa emite tem um juro negativo. Não o tem em prazo algum. Espanha, França e Itália, como termo de comparação, têm.

Juca 19.04.2017

Quando os "entalados" do socialismo-comunista forem ver do depósito dos juros, ficarão admirados por não o verem. Então ficarão a saber que receberão quando for possível. Neste caso não é o da D. Branca mas é o do socialista café com leite.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub