Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas aceleram e juros corrigem confiantes no poder de fogo do BCE

Fecho dos mercados: Bolsas aceleram e juros corrigem confiantes no poder de fogo do BCE

As bolsas aceleraram os ganhos e os juros fecharam em queda acentuada, com os investidores a apostarem numa extensão do programa de estímulos do BCE, na reunião desta quinta-feira.
Fecho dos mercados: Bolsas aceleram e juros corrigem confiantes no poder de fogo do BCE
Reuters
Patrícia Abreu 07 de dezembro de 2016 às 17:24

Os mercados em números

PSI-20 subiu 1,90% para 4.573,92 pontos

Stoxx 600 avançou 0,91% para 347,70 pontos

S&P 500 valoriza 0,24% para 2.217,64 pontos

"Yield" 10 anos de Portugal desceu 12,3 pontos base para 3,513%

Euro avança 0,30% para 1,0751 dólares

Petróleo desce 0,84% para 50, 50 dólares por barril, em Nova Iorque

Bolsas prolongam ganhos de olho no BCE

As principais praças europeias fecharam a sessão desta quarta-feira,7 de Dezembro, com valorizações expressivas, com os investidores optimistas em relação à reunião do Banco Central Europeu (BCE) que decorre amanhã. O europeu Stoxx 600 ganhou 0,91%, numa sessão em que apenas a praça madrilena subiu menos de 1%. A sustentar a negociação estiveram as subidas dos sectores mais cíclicos, como as fabricantes automóveis, as mineiras e os bancos. A expectativa é que Mario Draghi anuncie esta quinta-feira um prolongamento do programa de compras de activos por mais seis meses, mantendo as compras de 80 mil milhões de euros por mês até Setembro do próximo ano.

A bolsa de Lisboa subiu 1,9%, a maior valorização entre as praças europeias, numa sessão em que o BCP voltou a destacar-se. O banco liderado por Nuno Amado escalou 5,86% para 1,2597 euros, a estender a subida de quase 6% registada na sessão anterior. A instituição foi contagiada pelo optimismo em torno dos bancos italianos, com as notícias de que Itália tem um plano para salvar o Monte dei Paschi a animar. Uma nota positiva ainda para a Galp Energia. A petrolífera ganhou 2,75% para 13,845 euros.

Menor prémio de risco

Os juros da República Portuguesa terminaram a corrigir, perante a especulação de que o BCE irá anunciar uma extensão do programa de estímulos e poderá mudar as regras para incluir mais títulos de dívida, mudanças que deverão beneficiar as obrigações de Portugal. A taxa de referência a dez anos caiu 12,3 pontos base para 3,513%. Já as "bunds" alemãs recuaram 2,6 pontos para 0,347%, reduzindo o prémio de risco face à dívida nacional para 316,5 pontos.

Euribor atinge novo mínimo

As taxas Euribor desceram hoje a três meses para um novo mínimo histórico e subiram a seis, nove e 12 meses em relação a terça-feira. A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, desceu hoje para -0,316%, novo mínimo histórico e menos 0,001 pontos do que na terça-feira. Em sentido contrário, a taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de Novembro de 2015, foi hoje fixada em -0,217%, mais 0,002 pontos do que na véspera e contra -0,220%, actual mínimo de sempre registado pela primeira vez em 22 de Novembro.

Euro regressa aos ganhos

Depois de na última sessão ter interrompido uma série de três dias positivos, o euro está de volta aos ganhos. A moeda única ganha 0,30% para 1,0751 dólares, apesar da especulação de que a instituição monetária da Zona Euro irá amanhã anunciar novas medidas de estímulo, aumentando a divergência face à Reserva Federal dos EUA.

Petróleo estende quedas

Os preços do petróleo seguem a desvalorizar nos mercados internacionais, perante a expectativa de que os cortes de produção anunciados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) irão levar a um aumento da produção de petróleo de xisto nos EUA. O crude, negociado em Nova Iorque, desce 0,84% para 50, 50 dólares por barril, depois de na última sessão ter desvalorizado 1,7%. Já o Brent, que serve de referência às importações nacionais e é negociado em Londres, cai 0,54% para 53,64 dólares. Estas quedas surgem depois do departamento da energia norte-americano ter aumentado as suas previsões para a produção de petróleo este ano e no próximo.

Metais ganham brilho na expectativa de maior procura

Os preços dos metais industriais estiveram a recuperar esta quarta-feira, perante o optimismo em torno de um aumento da procura. O zinco lidera as subidas, ao valorizar 1,6% para 2.846 dólares por tonelada, enquanto o cobre sobe 0,6% e o níquel 0,7%, com os investidores a apostarem numa maior procura à medida que aumenta o optimismo para a economia global.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub