Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas em alta e juros de Portugal mantêm-se abaixo dos de Itália

Fecho dos mercados: Bolsas em alta e juros de Portugal mantêm-se abaixo dos de Itália

As bolsas europeias terminaram a valorizar, impulsionadas pelo progresso alcançado na reforma fiscal nos EUA. Já os juros continuam a renovar mínimos de 2015, após a melhoria de “rating” da Fitch.
Fecho dos mercados: Bolsas em alta e juros de Portugal mantêm-se abaixo dos de Itália
Miguel Baltazar

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,8% para 5.428,89 pontos

Stoxx 600 ganhou 1,15% para 392,66 pontos

S&P 500 ganha 0,68% para 2.693,88 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal caiu 6,1 pontos base para 1,779%

Euro valoriza 0,44% para 1,1801 dólares

Petróleo em Londres aprecia 0,43% para os 63,50 dólares por barril


Reforma fiscal nos EUA puxa pelas bolsas

As bolsas europeias encerraram a primeira sessão da semana a valorizar, suportadas pela expectativa que sejam realizados avanços na aprovação da reforma fiscal nos EUA. O Stoxx 600 subiu 1,15%, depois de ter sido noticiado este fim-de-semana que responsáveis do partido Republicano admitiram esperar que o Congresso aprove a nova lei fiscal esta semana, estando a votação no Senado prevista para terça-feira. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, poderá assinar a legislação no final da semana.

Os progressos no plano de Trump estão também a animar as bolsas norte-americanas, que estão a renovar novos recordes, depois de na última sexta-feira terem também negociado em máximos históricos.

Em Lisboa, o PSI-20 somou 0,8%, suportado pela subida do BCP. O banco liderado por Nuno Amado subiu perto de 1% para 26,5 cêntimos. Uma nota positiva ainda para o sector da energia. A Galp avançou 0,81% para 15,625 euros, num dia de ganhos para a matéria-prima. Já a EDP Renováveis somou mais de 2% para 6,86 euros. Em destaque estiveram ainda as empresas do sector da pasta e do papel. A Semapa valorizou 2,56% para 18,205 euros, enquanto a Navigator avançou 1,92% para 4,417 euros. Já a Altri ganhou 0,92% para 5,482 euros.

Juros de Portugal afastam-se de Itália

Os juros da República Portuguesa continuam a renovar novos mínimos, com a taxa a dez anos de Portugal a afastar-se da "yield" italiana, depois de na última sexta-feira ter negociado pela primeira vez desde 2010 abaixo da taxa transalpina. O juro a dez anos de Portugal segue a recuar 6,1 pontos base para 1,779%, enquanto a taxa italiana segue a recuar 1,1 pontos na mesma maturidade para 1,801%. Esta correcção das taxas de Portugal surge depois da Fitch ter melhorado o "rating" do país em dois níveis, de ‘BB+’ para ‘BBB’, para aquele que é considerado o penúltimo grau de investimento. Já o outlook passou de "positivo" para "estável".

A justificar a decisão de melhoria esteve, segundo a agência, a descida operada da dívida pública e a previsível queda deste indicador nos próximos anos, bem como uma situação de maior estabilidade da banca. A subida do rating e a classificação da dívida portuguesa como activo de investimento por parte de duas das grandes agências de notação (primeiro a S&P em 15 de Setembro e agora a Fitch) colocou as obrigações portuguesas no "radar dos maiores fundos de investimento tanto particulares como soberanos", aumentando "tanto a visibilidade como de facto a inclusão da dívida em muitos desses mesmos fundos", disse ao Negócios o chefe da equipa de "research" da Orey iTrade, José Lagarto.


Dólar em queda com tomada de mais-valias

A moeda norte-americana segue a desvalorizar, esta segunda-feira, face às principais divisas negociadas. Isto numa altura em que se mantém a expectativa em torno da reforma fiscal nos Estados Unidos. Na semana passada, após várias semanas de negociações, as duas câmaras do Congresso dos Estados Unidos alcançaram um acordo de princípio sobre esta reforma fiscal. E prevê-se que hoje aconteça a discussão da versão final no Senado. A votação poderá ocorrer já hoje, ou então na terça-feira, sendo que a votação na Câmara dos representantes será um dia depois. Os "traders" contactados pela Bloomberg acreditam que a queda do dólar esta segunda-feira esteja relacionada com a tomada de mais-valias, ou seja, "compre no rumor, venda no facto". O índice do dólar constituído pela Bloomberg desce 0,32% para os 1.168,30 pontos, depois de já ter chegado a perder 0,46%.

Problemas em "pipeline" do Mar do Norte anima petróleo

Os preços do petróleo seguem a negociar em alta, nos mercados internacionais, pela segunda sessão consecutiva. Um desempenho que é justificado pelos problemas que se registam num dos mais importantes "pipelines" do mundo, no Mar do Norte, pela segunda semana. Ao mesmo tempo, as apostas dos gestores de fundos de cobertura de risco ("hedge-funds") na subida dos preços da matéria-prima atingiram um recorde, segundo a Bloomberg. Em Nova Iorque, o West Texas Intermediate (WTI) sobe 0,26% para os 57,45 dólares por barril, enquanto em Londres, o Brent do Mar do Norte aprecia 0,43% para os 63,50 dólares por barril.

Cobre sobe num contexto positivo para os metais

A maioria dos metais industriais segue a valorizar, isto depois de terem registado o maior ganho semanal em dez semanas. A impulsionar estes ganhos estão os sinais de melhoria no crescimento económico de importantes regiões como a China, a Europa e os Estados Unidos. Perspectivas que contribuem para a expectativa de uma maior procura. Além disso, os bancos de investimento têm vindo a referir que os factores positivos que têm contribuído para a subida dos preços deverão manter-se em 2018. O cobre segue a valorizar 0,2% para os 6.897 dólares por tonelada métrica, depois de ter apreciado quase 5% na semana passada.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 18.12.2017

Os italianos têm o creme de avelã, o nougat e as castanhas. Portugal tem papel caro e pessoas a arder. Nem quero falar aqui nos motores, nos fármacos ou nas grandes marcas globais do têxtil e calçado, que não quero envergonhar o meu triste Poortugal.

pub