Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas em alta ligeira na véspera da Fed. Juros voltam a descer

Fecho dos mercados: Bolsas em alta ligeira na véspera da Fed. Juros voltam a descer

As bolsas do Velho Continente registaram oscilações pouco expressivas, um dia antes de serem conhecidas as decisões de política monetária da Fed. Já os juros da República renovaram mínimos de Dezembro de 2015.
Fecho dos mercados: Bolsas em alta ligeira na véspera da Fed. Juros voltam a descer
Bloomberg

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,37% para 5.302,89 pontos

Stoxx 600 valorizou 0,04% para 382,12 pontos

S&P 500 avança 0,11% para 2.506,58 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal caiu 14 pontos base para 2,422%

Euro sobe 0,27% para 1,1986 dólares

Petróleo cede 0,47% para 55,22 dólares por barril, em Londres

Bolsas prolongam ganhos antes da Fed

As bolsas do Velho Continente encerraram a sessão desta terça-feira a valorizar, num momento em que os investidores aguardam a decisão de amanhã da Reserva Federal dos EUA sobre a sua política monetária. O índice europeu Stoxx 600 avançou 0,04%, numa sessão em que os sectores petrolífero, automóvel e das telecomunicações se destacaram com os melhores desempenhos. Nos EUA, os principais índices seguem praticamente estáveis em máximos históricos, um dia antes de se conhecer a decisão da Fed sobre as taxas de juro.

Os economistas estão a antecipar que a autoridade monetária norte-americana anuncie a redução do seu balanço, além de endurecer o discurso, começando a preparar o mercado para uma subida de juros na última reunião do ano, em Dezembro. A taxa dos fundos federais deverá ficar inalterada num intervalo entre 1% e 1,25%.

"A conferência de imprensa da Fed a 20 de Setembro pode ainda conferir ao banco central a oportunidade de confirmar o seu compromisso com o aumento dos juros e de manter sua estratégia", antecipa Franck Dixmier. Para o responsável global de dívida da Allianz Global Investors, "a força da economia dos EUA e o estado do mercado laboral tornam mais provável uma aceleração futura da inflação. Isto justificaria uma subida ‘preventiva’ dos juros".

A bolsa lisboeta encerrou a valorizar pela oitava sessão consecutiva, ainda a beneficiar com a melhoria de "rating" da S&P para Portugal. O PSI-20 somou 0,37%, animado pelos ganhos do BCP. O banco liderado por Nuno Amado subiu 2,52% para 0,2322 euros. Fora do PSI-20, a Media Capital afundou 10% para 3,15 euros, depois da Anacom ter dado um parecer desfavorável à compra da Media Capital pela Meo.

Juros em mínimos de 2015

Depois de ter afundado mais de 30 pontos base na última sessão, a taxa de juro implícita na dívida nacional esteve novamente a descer. A "yield" a dez anos caiu 14 pontos base para 2,422%, mas a taxa chegou a negociar abaixo de 2,4%, em mínimos de Dezembro de 2015, com os juros do país a reagirem à decisão da Standard & Poor's, que surpreendeu o mercado, ao retirar o "rating" do país de um patamar considerado de "lixo".

Esta decisão assume uma importância vital porque há gestores de activos que estão impedidos de alocar mais do que uma pequena porção da carteira de investimento a obrigações classificadas como "lixo" pelas principais agências de "rating". Esta queda fez descer o prémio de risco da dívida nacional face à alemã para menos de 197 pontos, descendo assim da fasquia de 200 pontos base pela primeira vez desde Dezembro de 2016.

Euribor em queda

As taxas Euribor desceram hoje a três e seis meses e mantiveram-se a nove e 12 meses em relação a segunda-feira. A Euribor a três meses desceu para -0,330%. A seis meses, a taxa Euribor também desceu, ao ser fixada em -0,272%. A nove meses, a Euribor manteve-se em -0,219%, contra o actual mínimo de sempre, de -0,220%, registado pela primeira vez em 15 de Setembro. No prazo de 12 meses, a taxa Euribor foi fixada de novo em -0,171%, actual mínimo de sempre, registado pela primeira vez em 14 de Setembro.

Dólar cai à espera da reunião da Fed

A moeda norte-americana segue a perder valor face à maioria das principais moedas negociadas. O índice do dólar criado pela Bloomberg cede 0,08% para os 1.145,05 pontos, numa altura em que os investidores voltam as suas atenções para a reunião de dois dias da Reserva Federal, que teve início esta terça-feira. A expectativa dos economistas é de que Janet Yellen anuncie o início da redução do balanço do banco central norte-americano.


Perspectiva de aumento das reservas penaliza petróleo

Os preços do petróleo seguem a negociar em queda nos principais mercados internacionais. Em Nova Iorque, o West Texas Intermediate (WTI) cede 0,38% para os 49,72 dólares por barril. Já em Londres, o Brent recua 0,40% para os 55,26 dólares por barril. A justificar este desempenho negativo das cotações está a expectativa de que, esta quarta-feira, o Departamento dos Estados Unidos anuncie o maior aumento das reservas petrolíferas do último meio ano. As estimativas apontam para um aumento dos inventários de 3,4 milhões de barris.


Minério de ferro cai em dia de alertas

O banco central da Austrália alertou para a perspectiva de queda dos preços do minério de ferro devido ao impacto da subida da oferta das mineiras e numa altura em que a produção na China está perto de atingir o pico, revela a Bloomberg. Esta terça-feira, o metal desceu 4,1% para 68,85 dólares por tonelada métrica, o valor mais baixo desde 28 de Julho. Trata-se da maior queda desde Maio.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso Há 4 semanas

Juro em 2,422 ,mas vocês já anunciaram abaixo de 2,4.Tenham decência

pub
pub
pub
pub