Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas esperam resultado das eleições. Euribor em novos mínimos

Fecho dos mercados: Bolsas esperam resultado das eleições. Euribor em novos mínimos

As bolsas europeias encerraram maioritariamente em terreno positivo, antes de serem conhecidos os resultados das eleições no Reino Unido. O euro desvaloriza, após a decisão do BCE e as Euribor atingiram novos mínimos.
Fecho dos mercados: Bolsas esperam resultado das eleições. Euribor em novos mínimos
Rita Faria 08 de junho de 2017 às 17:29

Os mercados em números

PSI-20 desvalorizou 0,93% para 5.240,37 pontos

Stoxx 600 cedeu 0,01% para 389,15 pontos

S&P 500 avança 0,03% para 2.433,80 pontos

Juros da dívida a dez anos desceram 6,9 pontos base para 3,027%

Euro cai 0,33% para 1,1219 dólares

Brent sobe 0,15% para 48,13 dólares por barril

Bolsas europeias à espera do resultado das eleições

As bolsas europeias encerraram a sessão desta quinta-feira, 8 de Junho, maioritariamente em alta, antes de serem conhecidos os resultados das eleições no Reino Unido. Entre as principais praças do Velho Continente só o Footsie, o PSI-20 e o francês CAC40 fecharam no vermelho.

 

O principal índice português desceu 0,93% para 5.240,37 pontos, penalizado sobretudo pelo BCP, Jerónimo Martins e Galp Energia. O banco liderado por Nuno Amado caiu 1,10% para 22,45 cêntimos, a retalhista cedeu 2,17% para 17,62 euros e a petrolífera desvalorizou 1,73% para 13,38 euros.

 

Juros descem após decisão do BCE

Os juros da dívida da generalidade dos países do euro desceram esta quinta-feira, depois de o BCE ter decidido manter inalterados os juros e os estímulos à economia.

 

Os juros da dívida portuguesa a dez anos caíram 6,9 pontos base para 3,027%, enquanto em Espanha, no mesmo prazo, o alívio foi de 9,4 pontos para 1,474%. Na Alemanha, a ‘yield’ associada às obrigações a dez anos desceram uns ligeiros 1,3 pontos.

 

As quedas foram mais acentuadas em Itália, depois de os partidos não terem chegado a um acordo sobre a reforma da lei eleitoral, o que reduz a probabilidade de o país realizar eleições antecipadas.  

 

Os juros da dívida italiana a dez anos caíram 12,4 pontos base para 2,176%.

 

Euribor descem a seis e a nove meses para mínimos de sempre

As taxas Euribor desceram hoje a três, seis e nove meses, nestes dois últimos prazos para mínimos, e a doze meses mantiveram-se, em relação a quarta-feira.

 

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 6 de Novembro de 2015, desceu hoje para - 0,260%, contra -0,259% da sessão anterior, batendo um novo mínimo de sempre.

 

No prazo de nove meses, a taxa também caiu hoje para -0,186%, face aos -0,184% do dia anterior, e também um mínimo de sempre. A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, caiu hoje para -0,330%, menos 0,001 pontos face a quarta-feira.

 

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 5 de Fevereiro de 2015, manteve-se hoje em -0,134%, que constitui um mínimo de sempre.

 

Euro cai pela segunda sessão

O euro está a negociar em queda face ao dólar pela segunda sessão consecutiva, depois de o presidente do BCE ter deixado os juros inalterados e ter revisto em baixo as estimativas para a inflação, face às projecções de Março.

 

De acordo com a autoridade monetária, a inflação global "deverá permanecer nos níveis actuais [1,4%] nos próximos meses" e fechar o ano com um crescimento médio de 1,5%, a que se seguirão 1,3% em 2018 e 1,6% em 2019.

 

"Temos de ser pacientes" enquanto esperamos que a inflação atinja o objectivo do BCE, que é próximo mas abaixo de 2%, afirmou Mario Draghi.

 

O euro desce 0,31% para 1,1222 dólares, depois de ter caído 0,18% na sessão de ontem.

Petróleo recupera após fortes quedas

O petróleo está a negociar em alta ligeira, recuperando parte das perdas registadas na sessão de ontem. A matéria-prima foi penalizada pelo aumento inesperado das reservas nos Estados Unidos, que elevou as preocupações sobre a capacidade da OPEP de reequilibrar o mercado.

 

As reservas de crude aumentaram em 3,3 milhões de barris na semana passada, de acordo com os dados revelados ontem pela Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos.

 

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 0,44% para 45,92 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, ganha 0,15% para 48,13 dólares.

Ouro e prata caem mais de 0,5%

O ouro está a negociar em queda pela segunda sessão, numa altura em que os investidores aguardam pelo resultado das eleições no Reino Unido, onde o partido de Theresa May segue com vantagem nas sondagens.

O metal amarelo desce 0,81% para 1.276,69 dólares por onça, enquanto a prata perde 0,82% para 17,4595 dólares. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
GLINTT 08.06.2017

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 100% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 40%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

SENHOR BCP DIGA LÁ 0.33 08.06.2017

FALTAM 7 dias para a FINTCH suir os RATINGS DO MILENIUM BCP e DE PORTUGAL por isso faltam 7 dias para SENHOR BCP DIGA LÁ 0.33

pub