Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas estáveis com Wall Street fechado. Juros regressam abaixo de 3%

Fecho dos mercados: Bolsas estáveis com Wall Street fechado. Juros regressam abaixo de 3%

As praças europeias encerraram a sessão pouco alteradas, num dia marcado pelo feriado nos EUA. Já os juros fecharam abaixo de 3%, enquanto o petróleo continua a recuperar.
Fecho dos mercados: Bolsas estáveis com Wall Street fechado. Juros regressam abaixo de 3%
Reuters

Os mercados em números

PSI-20 somou 0,01% para 5.181,15 pontos

Stoxx 600 caiu 0,29% para 382,30 pontos

S&P 500 encerrado

Juros da dívida a dez anos desceram 4,1 pontos base para 2,968%

Euro recua 0,15% para 1,1347 dólares

WTI soma 0,17% para os 47,15 dólares por barril

Bolsas europeias pouco alteradas

As principais praças do Velho Continente encerraram a sessão praticamente estabilizadas, numa sessão marcada pela menor liquidez no mercado devido ao feriado nos EUA. O índice europeu terminou a ceder 0,29%, com os investidores a aguardarem a divulgação das minutas da Reserva Federal dos EUA, relativas à reunião de Junho, que serão conhecidas esta quarta-feira, 5 de Julho.

O documento deverá dar novas pistas sobre futuras mexidas nas taxas de juro do país, isto depois da autoridade liderada por Janet Yellen ter agravada a taxa dos fundos federais em 0,25 pontos base, para um intervalo de entre 1% e 1,25%.

A bolsa portuguesa encerrou a avançar 0,01%, numa sessão marcada pela valorização das acções da EDP, depois de ontem a agência Reuters ter avançado que a espanhol Gas Natural teria proposto uma fusão à portuguesa EDP. Apesar de a informação ter sido negada pela EDP e dos analistas terem adiantado que esta operação seria interessante do ponto de vista estratégico, mas que não deverá acontecer, as acções da eléctrica chegaram a escalar mais de 3%, tendo encerrado a valorizar mais de 1,5% para 2,90 euros. Ainda do lado dos ganhos, uma nota para o BCP. O banco liderado por Nuno Amado avançou mais de 0,5%. Já a travar a bolsa esteve a Jerónimo Martins e a Galp Energia, com estes dois pesos-pesados a caírem perto de 0,5%.

Juros abaixo de 3%

Os juros exigidos pelos investidores para deter dívida portuguesa baixou esta terça-feira, 4 de Julho. A taxa de referência a dez anos caiu desceu 4,1 pontos base para 2,968%, regressando abaixo da barreira dos 3%. Esta evolução positiva surge no dia em que a Fitch divulgou uma nota a investidores onde fala sobre uma eventual retirada do país de um nível considerado especulativo, depois de ter melhorado o "outlook" para a dívida nacional para "positivo" no mês passado.

Segundo a Fitch, Portugal poderá aspirar deixar de ser rotulado de "lixo" nos mercados financeiros caso a dívida pública entre numa rota consistente de redução e não se repitam, na banca, situações que exijam a injecção de mais dinheiro dos contribuintes. O prémio de risco face à Alemanha também caiu, atingindo os 249,25 pontos base.

Euribor sobe a três meses e desce a seis

As taxas Euribor subiram hoje a três meses e desceram a seis, nove e 12 meses em relação a segunda-feira. A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, subiu para -0,329%, mais 0,002 pontos do que na sessão anterior e acima do actual mínimo de sempre, de -0,332%. A seis meses, a taxa caiu para -0,272%, menos 0,001 pontos e contra o actual mínimo de sempre, de -0,273%. No prazo de 12 meses, a taxa foi fixada em -0,159%, menos 0,002 pontos do que na sessão anterior e acima do actual mínimo de sempre, de -0,163%.

Iene em alta com procura por segurança

A moeda japonesa segue a valorizar contra o grupo das 10 principais moedas negociadas, numa sessão em que os investidores procuram por activos percepcionados como mais seguros depois dos testes a mísseis efectuados pela Coreia do Norte. O reacender da tensão política na região está a aumentar a procura por segurança nos mercados e o iene está a ser beneficiado por esse contexto. O iene aprecia 0,17% para os 0,008835 dólares, depois de já ter chegado a apreciar 0,53%.

Petróleo com maior ciclo de ganhos

Os preços do petróleo estão a subir pelo nono dia consecutivo, o que representa a mais longa série de ganhos desde 2010. A justificar estes ganhos está a expectativa dos investidores de que seja anunciada uma queda nas reservas de crude pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos. As estimativas dos analistas apontam para uma queda de 2,5 milhões de barris, na semana passada. Os dados serão conhecidos na quinta-feira, e não quarta-feira como habitualmente, uma vez que hoje se assinala o Dia da Independência. Em Nova Iorque, o West Texas Intermediate (WTI) soma 0,17% para os 47,15 dólares por barril, enquanto em Londres o Brent avança 0,08% para os 49,72 dólares por barril.

Tensões políticas animam cotação do ouro

Tal como o iene, o ouro também está a beneficiar da procura por activos considerados de refúgio em momentos de turbulência. O metal soma 0,29% para os 1.223,68 dólares por onça, mas já chegou a valorizar 0,52% para os 1.226,59 dólares por onça. Este desempenho positivo surge no dia em que a Coreia do Norte anunciou ter testado com sucesso o primeiro míssil balístico intercontinental (ICBM). Um desenvolvimento que aumentou a tensão política na região e, como tal, elevou a procura por segurança por parte dos investidores. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
VAI SER RÁPIDO ZÁSSSSSSSSS e já ESTÁ Há 3 semanas

o DETUSH BANK em 10 dias + 50 %
SANTANDER em 8 dias + 60 % agora chegou a vez do MILENIUM BCP que até já triplicou os LUCROS do 1º TRIMESTRE assim como o MILENIUM POLACO o DETUSH e o SANTANDER continuam de olho no BCP um dia acordamos e ZÀSSSSSS já está a FOSUN já ERA

pub