Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas europeias renovam máximos

Fecho dos mercados: Bolsas europeias renovam máximos

As bolsas europeias terminaram a última sessão da semana a subir, renovando máximos de, pelo menos, 2015. O dólar está a subir frente ao euro, com as perspectivas a apontarem para o aumento do diferencial de juros nos dois lados do Atlântico.
Fecho dos mercados: Bolsas europeias renovam máximos
Bloomberg
Sara Antunes 17 de março de 2017 às 17:16

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,20% para 4.613,88 pontos

Stoxx 600 avançou 0,16% para 378,32 pontos

S&P 500 valoriza 0,01% para 2.381,59 pontos

"Yield" 10 anos de Portugal recua 1,1 pontos base para 4,286%

Euro recua 0,20% para 1,0744 dólares

Petróleo desce 0,12% para 51,68 dólares por barril

 

Bolsas europeias renovam máximos
As bolsas europeias conseguiram fechar a subir. No acumulado da semana, o Stoxx600, índice que agrega as 600 maiores cotadas da Europa, subiu 1,36%. Os ganhos desta sexta-feira levaram as bolsas europeias para novos máximos de, pelo menos, Dezembro de 2015, com destaque para o britânico Footsie, que tocou mesmo em máximos históricos.

A animar os investidores esta semana esteve essencialmente o facto de a Reserva Federal (Fed) dos EUA ter mantido a expectativa em torno do ritmo da subida de juros no país e também os resultados das eleições na Holanda, com o partido de extrema-direita, que ameaçava referendar a permanência do país na Zona Euro, a ficar em segundo lugar. 

Na praça lisboeta a última sessão foi de ganhos, com o índice a ganhar 0,2%, com o BCP e a Nos a ditarem os ganhos. No acumulado da semana, o PSI-20 não escapou às quedas, recuando 0,27%, contrariando a tendência positiva do resto da Europa.

Juros aliviam 

As taxas de juro da dívida portuguesa descem, a acompanhar a tendência que impera no resto da Europa, depois de os juros terem subido a reflectir a especulação em torno do início da retirada de estímulos por parte do Banco Central Europeu (BCE). A taxa de juro a 10 anos de Portugal desce 1,1 pontos base para 4,286%, enquanto a taxa alemã recua 1,3 pontos para 0,435%.

 

Taxas Euribor estáveis nos prazos mais curtos
As taxas Euribor estabilizaram nos prazos a três e seis meses, sendo esta última o indexante mais usado no crédito à habitação em Portugal. A taxa a três meses fixou-se nos -0,329%, enquanto a taxa a seis meses ficou nos -0,241%. Já as taxas de maior prazo subiram, com a Euribor a nove meses a aumentar para -0,170%, enquanto a taxa a 12 meses subiu para -0,109%.
 

Euro recua após subidas de juros nos EUA

O euro está a recuar contra o dólar, numa altura em que a pesar na negociação continua a expectativa de que os EUA subam por mais duas vezes as taxas de juros do país, enquanto que na Zona Euro a perspectiva é de que o Banco Central Europeu (BCE) mantenha o preço do dinheiro inalterado por um período longo de tempo. E apesar de aumentar a especulação de que a entidade liderada por Mario Draghi possa começar a retirar estímulos à economia, nomeadamente através do corte do programa de compra de activos, a verdade é que as declarações dos responsáveis do BCE têm afastado este cenário para já. Este contexto torna mais atractivo o investimento em dólares do que em euros. 

 

Petróleo continua pressionado pelo aumento de produção
O aumento de produção da Arábia Saudita, que acaba por anular o corte acordado em Novembro com os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), teve efeito no mercado petrolífero, com os preços da matéria-prima a recuarem, a reflectir o aumento da oferta. O barril do Brent cede 0,12% para 51,68 dólares.

Ouro 

O ouro está a subir, depois de a Fed ter deixado indicações de que não pretende acelerar o ritmo de subidas de juros nos EUA. A matéria-prima está a subir 0,19% para 1.228,92 dólares a tonelada.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ERA O FANHOSO 17.03.2017

ESSE do bcp no vermelho já foi ENGAVETADO pela PJ ele estava obcecado queria ver o bcp a 9 CÊNTIMOS

0,35 17.03.2017

Para aquele que dizia aue o BCP fechava no vermelho só tenho s dizer buuuiu

pub
pub
pub
pub