Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas, juros e petróleo caem

Fecho dos mercados: Bolsas, juros e petróleo caem

As bolsas europeias fecharam em queda, numa sessão em que os juros e o petróleo também recuaram.
Fecho dos mercados: Bolsas, juros e petróleo caem

Os mercados em números

PSI-20 desceu 0,03% para 5.450,85 pontos

Stoxx 600 perdeu 0,25% para 390,44 pontos

S&P 500 cede 0,06% para 2.556,21 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal recua 0,8 pontos base para 2,321%

Euro cai 0,36% para 1,1753 dólares

Petróleo desvaloriza 0,74% para 57,39 dólares por barril em Londres

Bolsas europeias em queda

As principais bolsas europeias terminaram o dia sobretudo em queda. Uma das notícias que marca o dia nos mercados é a inflação no Reino Unido, que subiu para 3%, em Setembro. O governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, já confirmou que uma subida dos juros, a primeira numa década, estará para breve, sem detalhar nenhuma data.

A Cimeira Europeia, que se realiza quinta e sexta-feira, vai abordar a questão do Brexit. E aparentemente, Michel Barnier, negociador chefe da União Europeia, deverá indicar que não foram alcançados "progressos suficientes". Assim, os líderes não deverão autorizar que as negociadores comecem a debater a relação comercial futura entre a União Europeia e o Reino Unido, um dos objectivos de Londres.

Theresa May, primeira-ministra britânica, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, jantaram ontem e do encontro não saíram grandes avanços. Entretanto, o responsável britânico para o Brexit, David Davis, afirmou que Londres não vai fazer mais ofertas, no âmbito das negociações para o Brexit, até sexta-feira. Este tema pode estar também a captar a atenção dos investidores.

Em termos de política internacional, a questão da Catalunha continua também a pairar nos mercados. O porta-voz do governo catalão revelou que Puigdemont não irá clarificar se declarou ou não a independência da Catalunha, optando por deixar nas mãos de Rajoy a escolha entre o "diálogo ou a repressão".

O principal índice grego liderou as quedas no Velho Continente, perdendo 0,43%, seguido pela praça de Milão, que recuou 0,40%, e pelo britânico Footsie cedeu 0,14%. O Stoxx 600, índice de referência, desvalorizou 0,25%.

 

Nos Estados Unidos, as principais bolsas seguem pouco alteradas, oscilando entre ganhos e perdas. O índice Dow Jones já superado esta terça-feira e pela primeira vez os 23.000 pontos. Este comportamento tem lugar numa altura em que a época de resultados prossegue. O Morgan Stanley revelou hoje que os lucros trimestrais subiram mais de 10%.

Juros em queda

Os juros da dívida pública terminaram a sessão desta terça-feira, 17 de Outubro, em queda. A dez anos, o prazo considerado de referência, as "yields" descem 0,8 pontos base para 2,321%. Esta evolução tem lugar depois de ontem Portugal ter realizado a amortização de seis mil milhões de euros em obrigações.

Amanhã, o Tesouro português vai ao mercado com dois leilões de títulos de curto prazo onde espera levantar entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

Os juros da Alemanha a dez anos cedem 0,7 pontos base para 0,365%. O prémio de risco da dívida nacional está nos 196 pontos.

Euribor a 12 meses atinge novo mínimo

As taxas Euribor estabilizaram nos -0,329% e -0,274% a três e a seis meses, respectivamente. Já a taxa a nove meses subiu para -0,221%, enquanto a taxa a 12 meses voltou a descer para -0,183%, renovando um mínimo histórico.

Dólar sobe à espera de novo presidente da Fed

A moeda americana está a subir contra as principais divisas mundiais, numa altura em que o nome de John Taylor está a ganhar mais força como o próximo presidente da Reserva Federal (Fed) dos EUA. O economista tem defendido um modelo de juros mais elevados, o que fomenta a expectativa em torno de subidas dos juros nos EUA a partir do próximo ano, altura em que termina o mandato de Janet Yellen.

Petróleo regressa às quedas

Os preços do petróleo estão a descer, aliviando dos ganhos recentes provocados pelos receios em torno do Irão. Contudo, os responsáveis do país vieram a terreiro dizer que recuperaram os campos petrolíferos e as centrais eléctricas em Kirkuk. O ministro do petróleo do Irão disse que esta recuperação vai permitir fazer novos investimentos.

 

Ouro cai com subida do dólar

O ouro está a descer, com os investidores a apostarem no dólar, devido à especulação em torno de mais subidas de juros nos EUA. Com um contexto económico mais atractivo e juros mais altos, os investidores deixam de apostar tanto em activos considerados de refúgio, como o ouro. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar