Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas não aguentam ganhos antes da Fed. Juros em mínimos de Agosto

Fecho dos mercados: Bolsas não aguentam ganhos antes da Fed. Juros em mínimos de Agosto

As praças europeias inverteram a tendência positiva da abertura, antes de ser conhecida a decisão da Fed sobre as taxas de juro no país.
Fecho dos mercados: Bolsas não aguentam ganhos antes da Fed. Juros em mínimos de Agosto
Bloomberg
Patrícia Abreu 14 de junho de 2017 às 17:21

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,23% para 5.315,86 pontos

Stoxx 600 cedeu 0,30% para 387,58 pontos

S&P 500 cai 0,09% para 2.438,06 pontos

Juros da dívida a dez anos desceram 10,3 pontos base para 2,846%

Euro ganha 0,6% para 1,1278 dólares

Brent desvaloriza 3,41% para 47,06 dólares por barril

Bolsas perdem gás antes da decisão da Fed

Num dia em que todas as atenções estão focadas na decisão da Reserva Federal dos EUA sobre as taxas de juro, a maioria das praças europeias inverteu a tendência positiva que dominou a jornada. O índice europeu Stoxx 600 cedeu 0,30%, numa sessão em que apenas as bolsas alemã, grega, londrina e lisboeta fecharam no verde, com todas as outras grandes praças do Velho Continente a desvalorizarem.

Ao contrário da Europa, nos EUA o dia é de máximos. Depois de terem encerrado em recordes na última sessão, os índices Dow Jones e S&P 500 continuaram hoje a fixar novos valores inéditos, se bem que entretanto o Standard & Poor's 500 tenha começado a resvalar. Os investidores aguardam o final da reunião da Fed e está a ser antecipada uma subida da taxa de referência para um intervalo entre 1% e 1,25% - mas mais do que os juros interessa aos investidores perceber como é que a instituição irá reduzir o seu balanço de 4,5 biliões de dólares, face à melhoria das condições económicas.

Em Lisboa, o índice PSI-20 saldou-se com um avanço de 0,23%, num dia em que a Mota-Engil esteve em destaque. A construtora disparou 10,75% para 2,668 euros, a reagir ao anúncio de que que ganhou uma obra 210 milhões de euros na Guiné e que assinou um contrato em Moçambique. Os analistas realçam que a operação na Guiné é positiva, mas que o grande destaque vai para as novidades em torno de um mega-projecto em Moçambique, este último no valor de 2.389 milhões de dólares e que já tinha sido anunciado. Contudo, só agora foi assinado. A impulsionar esteve ainda a Jerónimo Martins, que subiu 1,32% para 18,065 euros.

Juros acentuam quedas para mínimos de Agosto

As taxas de juro da República Portuguesa estiveram a registar uma forte queda esta quarta-feira, 14 de Junho, depois de o país ter conseguido vender dívida a cinco e 10 anos com os custos mais baixos dos últimos anos. O Tesouro colocou 1.250 milhões de euros em títulos a cinco e a dez anos, com uma taxa de 1,198% na maturidade mais curta, a mais baixa desde pelo menos 2006, data dos últimos dados disponibilizados pelo IGCP. Já nas Obrigações do Tesouro (OT) a dez anos, o juro foi de 2,851%, o mais baixo desde Novembro de 2015. Isto dias antes de a Fitch se manifestar sobre o "rating".

Os juros das obrigações do Tesouro a 10 anos cedem 10,3 pontos base para 2,846%, o que representa um novo mínimo desde Agosto do ano passado. Esta queda atirou o risco da dívida portuguesa (medido pelo diferencial entre os juros de Portugal e Alemanha) para os níveis mais baixos desde os primeiros dias do ano passado. O "spread" está esta quarta-feira, 14 de Junho, nos 261,98 pontos base.

Euribor continua a fixar novos mínimos

As taxas Euribor voltaram hoje a manter-se a três meses e a cair a seis, nove e doze meses, para mínimos de sempre, face a terça-feira. A Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu para -0,271%, contra -0,270% da sessão anterior e um novo mínimo de sempre. No prazo de 12 meses, a taxa também caiu para um novo mínimo de sempre, de -0,152%, contra -0,149% da sessão da véspera. A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se em -0,331%.

Dólar perde valor antes da Fed

A nota verde segue a desvalorizar face às principais divisas mundiais. Face ao euro, o dólar cai 0,6% para 1,1278 dólares, apesar do mercado estar a apostar que a Fed anuncie hoje uma subida de juros nos EUA. A pressionar a divisa está a divulgação de indicadores económicos fracos no país. O Departamento do Comércio anunciou que as vendas a retalho nos Estados Unidos registaram, em Maio, a maior queda dos últimos 16 meses, enquanto os preços no consumidor desceram.

Petróleo afunda mais de 3%

Os preços do petróleo estão sob forte pressão nos mercados internacionais, com a matéria-prima a tombar mais de 3%. O Brent, negociado em Londres, cai 3,41% para 47,06 dólares por barril, enquanto o WTI, em Nova Iorque, perde 3,53% para 44,82 dólares, depois da Agência Internacional de Energia (AIE) ter reportado novas previsões para as reservas de petróleo em 2018.

Apenas um dia depois de ter sido conhecido que a produção da OPEP aumentou, em Maio, ao ritmo mais rápido desde Novembro de 2016, a AIE adiantou que a oferta dos produtores de crude rivais da organização será mais que suficiente para suprir as necessidades da procura no próximo ano. Além disso, as reservas de crude nos EUA aumentaram pela segunda semana consecutiva, apesar das estimativas apontarem para uma quebra.

Ouro ganha terreno

O metal precioso segue a valorizar, impulsionado pela descida do dólar, em dia de reunião de política monetária nos EUA. O ouro valoriza 0,4% para 1.273,80 dólares por onça, com os investidores na expectativa para perceber se a divulgação de dados económicos abaixo das previsões vai afectar a decisão da Fed sobre uma nova subida de juros.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
GLINTT Há 1 semana

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 100% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 25%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004

VOU MATAR O PESSOAL DO DESCOBERTO Há 1 semana


AMANHÃ VOU LEVAR A CAÇADEIRA DO MEU PAI E VOU À CMVM MATAR TODOS OS ABUTRES DO DESCOBERTO ENTÃO NA ESPANHA JÁ PROIBIRAM ESTA ESCUMALHA E AQUI DEIXAM - NOS DELAPIDAR O NOSSO DIAMANTE MILENIUM BCP NÂO JÁ CHEGA AMANHÃ VÃO VER

pub