Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas pouco definidas em dia de queda do euro e dos juros

Fecho dos mercados: Bolsas pouco definidas em dia de queda do euro e dos juros

As bolsas europeias registaram ganhos muito ligeiros, com Lisboa e Madrid a contrariarem a tendência. Já o euro e os juros desceram.
Fecho dos mercados: Bolsas pouco definidas em dia de queda do euro e dos juros

Os mercados em números

PSI-20 desceu 0,10% para 5.452,53 pontos

Stoxx 600 fechou estável nos 391,41 pontos

S&P 500 valoriza 0,08% para 2.555,18 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal recua 0,04 pontos base para 2,329%

Euro cai 0,10% para 1,1808 dólares

Petróleo sobe 0,87% para 57,67 dólares por barril em Londres

 

IBEX e PSI-20 travam ganhos na Europa

Com excepção dos ibéricos PSI-20 e IBEX e do londrino Footsie, o dia foi de ganhos ligeiros para os principais índices europeus, impulsionados pelas cotadas do sector da mineração, que ajudaram a contrabalançar as descidas na construção e ‘utilities’.


Depois de três sessões consecutivas de ganhos, o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ficou inalterado em 391,41 pontos.


O espanhol IBEX perdeu 0,75%, devido à crise na Catalunha, enquanto o PSI-20 caiu 0,10% penalizado pela EDP e REN.


Nos Estados Unidos, os três principais índices – Nasdaq, Dow Jones e S&P500 – já atingiram novos máximos históricos, no início de uma semana que ficará marcada pela apresentação de contas das cotadas. 

 

Juros descem em toda a Europa

As taxas de juro implícitas na dívida portuguesa recuaram, a acompanhar a generalidade das "yields" europeias. A taxa a 10 anos desceu 0,04 pontos base para 2,329%, enquanto na Alemanha a queda foi de 3,1 pontos para 0,372%.

 

Euribor renova mínimo a 12 meses

As taxas Euribor mantiveram-se estáveis, à excepção da taxa a 12 meses que recuou para um novo mínimo, fixando-se nos -0,182%. A taxa a três meses estabilizou nos -0,329%, a Euribor a seis meses ficou nos -0,274%, e a taxa a nove meses fixou-se nos -0,222%.


Dólar sobe à boleia de Yellen

A presidente da Reserva Federal (Fed) dos EUA, Janet Yellen, alertou para a possível aceleração da inflação, o que levou os investidores a aumentarem a expectativa em torno de uma subida de juros nos EUA. O que está a sustentar a negociação da moeda americana. A pesar na negociação do euro continua alguma incerteza em torno da Catalunha.

 

Petróleo sobe com especulação em torno do Irão

Os preços do petróleo estão a subir, penalizados pelos receios em torno de um interrupção de fornecimento, depois de no fim-de-semana soldados iraquianos terem encerrado algumas unidades, incluindo uma refinaria, devido a disputas com o Curdistão. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a subir 0,87% para 57,67 dólares.

 

Cobre em máximos de 2014

O cobre está a subir no mercado internacional, tendo superado pela primeira vez desde 2014 os 7.000 dólares por onça métrica. A contribuir para esta evolução estão os dados divulgados pela China que apontam para um fortalecimento da indústria do país.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub