Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas recuperam da pior semana desde Novembro. Juros em mínimos de um ano

Fecho dos mercados: Bolsas recuperam da pior semana desde Novembro. Juros em mínimos de um ano

A tensão entre os EUA e a Coreia do Norte assustou os mercados na semana passada. Mas depois de altos responsáveis americanos terem dito que não estava iminente uma guerra, os investidores voltaram a apostar em activos de maior risco.
Fecho dos mercados: Bolsas recuperam da pior semana desde Novembro. Juros em mínimos de um ano
Reuters
Rui Barroso 14 de agosto de 2017 às 17:23

Os mercados em números

PSI-20 ganhou 1,29% para 5.268,59 pontos

Stoxx 600 subiu 1,08% para 376,16 pontos

S&P 500 avança 1,03% para 2.466,41 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal recua 4,2 pontos base para 2,812%

Euro desce 0,35% para 1,1780 dólares

Petróleo desce 0,56% para 51,81 dólares por barril, em Londres

Bolsas recuperam da pior semana desde Novembro

As bolsas europeias recuperam depois da queda de 2,72% na semana passada, a pior desde Novembro, provocada pelos receios em torno da Coreia do Norte. No entanto, essas preocupações diminuíram depois de dois altos responsáveis dos EUA terem referido, no fim-de-semana, que não estava iminente uma guerra com Pyongyang.

E as bolsas respiraram de alívio. O Stoxx 600 valorizou 1,08%, com todos os índices sectoriais a encerrarem no verde. Os maiores ganhos foram das "utilities" e das cotadas ligadas ao imobiliário, com subidas de 1,80%. Nos EUA, o dia também é de ganhos, com o S&P 500 a recuperar 1,03%. O PSI-20 acompanhou as subidas generalizadas. Apreciou 1,29%, impulsionado pelas subidas de 3,62% do BCP e de 1,35% da EDP.

Juros renovam mínimos de um ano

As taxas das obrigações soberanas portuguesas renovaram mínimos de um ano no dia em que o INE deu conta da estabilização do crescimento da economia no primeiro trimestre. A taxa a dez anos baixou 4,2 pontos base para 2,812%. O prémio de risco face à dívida alemã baixou para 240 pontos base, reflectindo também a subida de 2,4 pontos base da "yield" germânica a dez anos. Já as taxas de Espanha e Itália baixaram 2 e 0,9 pontos base, respectivamente, para 1,438% e 2,022%.

Euribor desce a 12 meses

Entre os principais prazos das Euribor, a taxa a 12 meses foi a única a descer. Baixou 0,2 pontos base para -0,158%. Os indexantes a três e a seis meses mantiveram-se em -0,329% e -0,271%. Também a Euribor a nove meses não sofreu alterações, permanecendo em -0,211%, actual mínimo histórico.

Euro abaixo de 1,18 dólares

O euro passou abaixo da fasquia dos 1,18 dólares, numa sessão em que a nota verde ganhou valor em relação às principais divisas mundiais. A moeda única desce 0,35% para 1,1780 dólares. O índice que mede a força da divisa americana face às outras dez grandes moedas mundiais sobe 0,62%, recuperando das descidas da semana passada. O dólar ganha 1,02% em relação ao franco suíço e 0,30% face ao iene, com as menores preocupações em torno da Coreia do Norte a penalizarem estas moedas vistas como refúgio.

Petróleo desce com menor procura da China

Os preços do petróleo descem, com o mercado a temer um abrandamento da procura na China. O Brent desce 0,56% para 51,81 dólares em Londres. O West Texas Intermediate perde 0,33% para 48,66 dólares em Nova Iorque. O número de refinarias activas na China caiu mais que o esperado no mês passado, o que pode indiciar uma quebra na procura. A impedir quedas de maior dimensão estiveram as notícias a indicar que a Líbia enfrenta novamente problemas de produção no seu maior campo petrolífero.

Ouro falha barreira de 1.300 dólares

O ouro desce 0,40% para 1.284,09 dólares, depois de ter atingido máximos de dois meses devido às preocupações em torno da Coreia do Norte. Mas o regresso do apetite pelo risco penalizou o metal amarelo. Além disso, os analistas têm notado que o ouro enfrenta uma grande resistência nos 1.300 dólares. "Este nível já provou ter uma forte resistência este ano e provavelmente atrai alguma pressão vendedora", disse Joni Teves, analista do UBS, citado pela Bloomberg.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ok 14.08.2017

BCP no bom caminho.... já não falta tudo para chegar aos 0.55 preço que irei vender para me reformar

SANTANDER prepara OPA ao BCP 14.08.2017





O SANTANDER vai engolir o MILENIUM BCP a 0.75 por ação ( e mesmo assim ainda fica a um quarto do preço do FALIDO montepio )

António 14.08.2017

Última oportunidade para despachar.
Durante muito tempo as coisas vão ficar feias.

Anónimo 14.08.2017

BURROS
Deixem-se de bolsa. disparates e insultos e comprem CRIPTOMOEDAS

ver mais comentários
pub