Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas recuperam, petróleo desliza e juros portugueses superam os 4%

Fecho dos mercados: Bolsas recuperam, petróleo desliza e juros portugueses superam os 4%

A taxa de juro implícita na dívida portuguesa a 10 anos voltou a superar os 4%, no dia em que se soube que o Estado vai avançar com uma emissão de dívida sindicada a 10 anos. O petróleo voltou a deslizar, enquanto as bolsas recuperam.
Fecho dos mercados: Bolsas recuperam, petróleo desliza e juros portugueses superam os 4%
Reuters
Sara Antunes 10 de janeiro de 2017 às 17:26

Os mercados em números

PSI-20 desceu 1,26% para 4.618,21 pontos

Stoxx 600 subiu 0,11% para 364,04 pontos

S&P 500 valoriza 0,36% para 2.276,99 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal recua 7,4 pontos base para 4,05%

Euro recua 0,01% para 1,0573 dólares

Petróleo cai 1,16% para 54,30 dólares por barril

 

Bolsas europeias recuperam da maior queda de um mês

Os principais índices bolsistas europeus terminaram a sessão a subir, na maior parte dos casos, a recuperarem da queda da última sessão – a maior no espaço de um mês. O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, terminou o dia a subir 0,36% para 2.276,99 pontos. Já o PSI-20 contrariou a tendência e desceu 1,26% para 4.618,21 pontos, num dia marcado pela queda acentuada do BCP – que afundou mais de 11% a reflectir o anúncio do aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros.

 

Juros voltam a negociar acima dos 4%

As taxas de juro associadas à dívida de Portugal subiram, voltando a ultrapassar a fasquia dos 4%. Isto no dia em que foi noticiado que o Estado português vai avançar com uma emissão sindicada de uma nova linha de Obrigações do Tesouro com maturidade em Abril de 2027. A taxa de juro implícita na dívida a 10 anos subiu 7,4 pontos base para 4,050%. Já a dívida a 10 anos alemã avançou 0,7 pontos para 0,285%, elevando para 376,56 pontos base o prémio de risco da dívida nacional.

 

Taxas Euribor caem de novo para novos mínimos

As taxas Euribor desceram pelo segundo dia consecutivo para novos mínimos a três, seis, nove e 12 meses. A taxa a três meses recuou para -0,324%, os juros a seis meses, que é a mais usada no crédito à habitação em Portugal, desceu para -0,232%. Já a Euribor a nove meses recuou para -0,149% e a taxa a 12 meses cedeu para -0,090%.

 

Euro cai à espera de discurso de Trump

A moeda única europeia segue em queda frente ao dólar, numa altura em que se aguarda pelo discurso de Donald Trump. O presidente eleito vai discursar na quarta-feira, com os investidores a esperarem que haja mais algumas luzes sobre o programa económico da sua administração.

 

Petróleo volta às quedas

Os preços do petróleo estão a recuar mais de 1%, numa altura em que alguns membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e fora do cartel anunciaram que estão a cumprir na íntegra os acordos de corte de produção. Contudo, os dados conhecidos apontam para que a exploração de petróleo nos EUA está a aumentar. E a expectativa é de que as reservas americanas tenham aumentado, na semana passada, em 1,5 milhões de barris. Os dados serão divulgados esta quarta-feira, 11 de Janeiro.

 

O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a descer 1,16% para 54,30 dólares.

 

Ouro sobe em vésperas do ano novo lunar

O ouro voltou a subir, negociando acima dos 1.180 dólares por onça, o que corresponde ao valor mais elevado desde 5 de Dezembro. A subida surge em vésperas das comemorações do ano lunar, na China, que ocorre no final de Janeiro e durante o qual uma das tradições passa pela oferta de ouro.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub