Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas sobem e petróleo recua pela quarta semana

Fecho dos mercados: Bolsas sobem e petróleo recua pela quarta semana

A sessão nas praças europeias foi positiva, devido às noticias positivas relacionadas com a Grécia. O euro e o petróleo avançaram, mas a matéria-prima acumulou a quarta semana consecutiva de perdas
Fecho dos mercados: Bolsas sobem e petróleo recua pela quarta semana

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,23% para 5.273,98 pontos

Stoxx 600 ganhou 0,66% para 388,60 pontos

S&P 500 cai 0,18% para 2.428,09 pontos

Juros da dívida a dez anos subiram 5,8 pontos base para 2,919%

Euro ganha 0,40% para 1,1190 dólares

Brent valoriza 0,55% para 47,18 dólares

Bolsas europeias fecham semana no verde

As principais praças europeias terminaram a semana em alta, depois de os ministros das Finanças da Zona Euro (Eurogrupo) terem decidido libertar uma tranche de 8,5 mil milhões de euros para a Grécia, no âmbito do actual programa de resgate. Esta decisão colocou um ponto final num impasse que existia em torno da capacidade de Atenas honrar os seus compromissos já em Julho. Contudo, já esta sexta-feira a Espanha veio colocar em causa a libertação desse cheque. Madrid quer que seja resolvida a situação de três peritos acusados de má-fé, um deles espanhol, para permitir o desbloqueio desse dinheiro.

O Stoxx 600, índice de referência, fechou a sessão desta sexta-feira, 16 de Junho, a subir 0,66%. A liderar os ganhos na Europa esteve o francês CAC40, que avançou 0,89%, seguido pelo principal índice grego, o FTSE/ASE, que valorizou 0,77%.


O PSI-20 subiu 0,23%, impulsionado pelos títulos da Galp Energia (subiram 2,10% para 13,585 euros) e da Altri (que valorizaram 2,25% para 4,368 euros). Hoje a Fitch pode pronunciar-se sobre a notação financeira de Portugal. Esta sexta-feira fica ainda marcada pela aprovação do Ecofin da saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos. E pelos dados do Banco de Portugal que indicam que o crescimento da actividade económica em Portugal, durante o mês de Maio, foi o mais forte desde Outubro de 2000.


Juros em alta em dia de Fitch

Os juros da dívida pública portuguesa estão a subir no mercado secundário, mas mantendo-se abaixo dos 3% na maturidade a dez anos. As "yields" nacionais sobem 5,8 pontos base para 2,919%. A agência de notação financeira Fitch pode pronunciar-se hoje sobre o "rating" nacional. O mercado não antecipa uma subida, já que a perspectiva é "estável", devendo ser alterada para "positiva" antes de qualquer mexida no rating.

Os juros da Alemanha no mesmo prazo estão a descer 0,6 pontos base para 0,276%.

Euro próximo dos 1,12 dólares

A moeda da Zona Euro está a subir 0,40% para 1,1190 dólares, beneficiando que a moeda norte-americana está a ser penalizada pelos dados referentes ao arranque de novas construções residenciais nos EUA, que caíram inesperadamente. Este dado económico levou a um aumento dos receios por parte dos investidores quanto à evolução da economia americana.

Euribor só desce no prazo a 12 meses

A taxa Euribor manteve-se hoje inalterada a três (-0,329%) e a seis meses (-0,271%), respectivamente, tendo subido no prazo a nove meses para -0,201% (mais 0,2 pontos base do que na véspera). No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 5 de Fevereiro de 2015, baixou e fixou-se hoje em -0,154% face a quinta-feira.

 

Petróleo desce pela quarta semana

O petróleo negoceia em terreno positivo, atenuando as perdas sofridas nas últimas sessões, que levaram a matéria-prima para mínimos de sete meses. O Brent em Londres soma 0,55% para 47,218 dólares e na bolsa de Nova Iorque o WTI avança 0,4% para 44,64 dólares.

 

Ainda assim, no acumulado da semana o petróleo desvaloriza mais de 2%, culminando aquela que é a quarta semana de perdas. Desde 2015 que a matéria-prima não registava uma série de quedas semanais tão longa, com os investidores a temerem um excesso de oferta no mercado, já que os cortes da OPEP parecem insuficientes para contrariar o aumento de produção nos Estados Unidos. 

 

Subida de juros penaliza ouro 

O metal precioso esteve hoje a descer pela terceira sessão consecutiva, com a subida de juros nos Estados Unidos a reduzir a atractividade do ouro. A onça de ouro terminou a semana nos 1.254,33 dólares, abaixo dos 1.266,76 dólares da semana passada. 

 

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
GLINTT 16.06.2017

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 100% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 26%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

MKT VENDE MKT COMPRA PALHAÇADA NO BCP 16.06.2017


MAS QUE RAIO É ISTO NAS COMPRAS E VENDAS HOJE DO MILENIUM BCP e PELO QUE ME APERCEBI HAVIA COMPRADORES A 0.25 e 0.26 MKT COMPRA 8 MILHÕES MKT VENDE 8 MILHÕES ISTO NOS ULTIMOS SEGUNDOS DE TRANSAÇÃO então e a CMVM está a DORMIR

MKT VENDE MKT COMPRA BCP 16.06.2017


MAS QUE RAIO É ISTO NAS COMPRAS E VENDAS HOJE DO MILENIUM BCP e PELO QUE ME APERCEBI HAVIA COMPRADORES A 0.25 e 0.26 MKT COMPRA 8 MILHÕES MKT VENDE 8 MILHÕES ISTO NOS ULTIMOS SEGUNDOS DE TRANSAÇÃO então e a CMVM está a DORMIR

FANTOCHADA NO MILENUM BCP 16.06.2017


MKT COMPRA MKT VENDE 8 MILHÕES DE AÇÕES e BLOQUEIAM AS RESTANTES TRANSAÇÕES ó SENHORES DA CMVM ENGAVETEM ESTA GENTE TODA SENÃO AINDA NÃO É DESTA QUE SAIMOS DO LIXO e para a semana o BCP vai estar toda a semana a PERDER VALOR OUTRA VEZ

pub