Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas sobem. Fed pressiona dólar e impulsiona metais preciosos

Fecho dos mercados: Bolsas sobem. Fed pressiona dólar e impulsiona metais preciosos

As bolsas europeias fecharam com ganhos, a acompanhar as praças americanas, no dia em que EUA e México anunciaram um acordo de comércio. A postura do presidente da Fed continua a pressionar o dólar e os metais preciosos acabam por beneficiar dessa desvalorização.
Fecho dos mercados: Bolsas sobem. Fed pressiona dólar e impulsiona metais preciosos
Sara Antunes 27 de agosto de 2018 às 17:30

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,44% para 5.521,20 pontos

Stoxx 600 avançou 0,52% para 385,56 pontos

S&P 500 valoriza 0,65% para 2.893,44 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal sobe 1,3 pontos base para 1,836%

Euro aprecia 0,47% para 1,1678 dólares

Petróleo recua 0,05% para 75,78 dólares por barril, em Londres

 

Bolsas sobem com acordo entre EUA e México

O acordo entre os EUA e o México está a animar os investidores que, inclusivamente, elevaram as bolsas americanas para novos máximos históricos. Na Europa, o sentimento também é positivo, ajudado por dados económicos. A confiança dos empresários alemães subiu pela primeira vez em nove meses, sinalizando um nível de preocupação reduzido com a escalada da guerra comercial. O Stoxx600 subiu 0,52% para 385,56 pontos.

Na bolsa nacional, a tendência também foi de ganhos, numa sessão em que a Galp Energia e a Jerónimo Martins avançaram mais de 1%.

A sessão foi ainda marcada pelo feriado em Londres, o que contribuiu para uma redução do volume negociado. 


Juros com ganhos ligeiros

As taxas de juro dos países europeus registaram subidas na generalidade dos países. A "yield" associada à dívida a 10 anos de Portugal avançou 1,3 pontos para 1,836%. Já a bund subiu 3,2 pontos para 0,377%, o que reduz o prémio de risco de Portugal para 145,9 pontos base. 
 

Euribor a seis meses sobe

A taxa Euribor a seis meses subiu, enquanto nas restantes maturidades não houve oscilações. A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, subiu para -0,265%. Já no prazo a três meses a taxa manteve-se nos -0,319%, pela vigésima primeira sessão consecutiva. A Euribor a nove meses fixou-se nos -0,206% e no prazo a 12 meses manteve-se nos -0,166%.

 

Dolar mantém queda após Powell

A moeda americana continua em queda esta segunda-feira, ainda a reflectir as palavras do presidente da Reserva Federal (Fed) dos EUA. Jerome Powell deixou claro que não é intenção da autoridade acelerar o ritmo de subidas de juros no país. Os investidores estão a apostar num discurso mais "hawkish" – favorável ao aperto monetário – o que acabou por penalizar a nota verde. O euro sobe, assim, 0,47% para 1,1678 dólares. 

 

Petróleo oscila entre ganhos e perdas ligeiros
Os preços do petróleo estão a oscilar entre ganhos e perdas ligeiros, num dia em que se soube que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reduziram mais a produção, em Julho, do que o acordado. A contribuir para as oscilações pouco acentuadas está também a redução da tensão geopolítica. Além disso, o petróleo registou fortes subidas na última sessão, pelo que há algum alívio de pressão. 

 

Ouro sobe com queda do dólar
O ouro regressou aos ganhos, a beneficiar da queda do dólar. O metal precioso sobe 0,35% para 1.209,61 dólares por onça. Este comportamento está a ser partilhado por outros metais, como a prata. 




pub