Mercados num minuto Fecho dos mercados: Euro e petróleo perdem terreno e juros aproximam-se de mínimos

Fecho dos mercados: Euro e petróleo perdem terreno e juros aproximam-se de mínimos

Numa sessão de fracas variações nos mercados bolsistas, o euro, o petróleo e os juros da dívida portuguesa desceram.
Fecho dos mercados: Euro e petróleo perdem terreno e juros aproximam-se de mínimos
Nuno Carregueiro 26 de setembro de 2017 às 17:27

Os mercados em números

PSI-20 ganhou 0,07% para 5.316,69 pontos

Stoxx 600 avançou 0,03% para 384,03 pontos

S&P 500 soma 0,07% para 2.498,41 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal desceu 4 pontos base para 2,41%

Euro perde 0,67% para 1,1770 dólares

Brent cai 1,1% para 58,37 dólares

 

Recuperação das tecnológicas deixa bolsas sem direcção 

Foi uma sessão de fracas variações nas principais bolsas mundiais, com a recuperação das tecnológicas a ser insuficiente para colocar os índices accionistas em alta, perante a onda crescente de riscos geopolíticos, sobretudo relacionados com a Coreia do Norte.

 

Depois de ontem ter afundado mais de 1% devido à queda das principais tecnológicas, hoje o Nasdaq 100 iniciou a sessão em alta, embora registando ganhos tímidos. Em Wall Street os principais índices marcam variações pouco acima de 0%, um cenário que se repete da Europa, com o Stoxx 600 a valorizar 0,03% para 384,03 euros.

 

Em Lisboa a sessão também foi morna, com o PSI-20 a avançar 0,07% para 5.316,69 pontos, beneficiando com a valorização da Galp Energia, que atingiu máximos de mais de seis anos e recuperou o estatuto de cotada mais valiosa da praça portuguesa.  

 

Spread da dívida recua para 200 pontos

Os juros da dívida portuguesa estão hoje de novo a recuar, colocando o "spread" face às bunds alemãs nos 200 pontos base. A "yield" das obrigações do Tesouro a 10 anos está a ceder 4 pontos base para 2,41%, muito perto dos mínimos de Outubro de 2016 que atingiu na semana passada na sequência da subida do "rating" de Portugal por parte da Standard & Poor’s.  

 

O alívio nos juros portugueses surge depois de ontem o presidente do BCE, Mario Draghi, ter enaltecido as reformas implementadas por Portugal, que possibilitaram o corte de rating e repetido que a política monetária acomodatícia na Zona Euro continua a ser recomendável.

 

Euribor a seis meses desce

As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três, nove e 12 meses. A seis meses, a taxa Euribor, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação desceu, ao ser fixada em -0,273%, menos 0,1 pontos base e contra o actual mínimo de sempre, de -0,275%, verificado pela primeira vez em 8 de Setembro.

 

Euro cai para mínimos de cinco semanas

A moeda única europeia atingiu mínimos de cinco semanas face ao dólar, penalizada pelos receios dos investidores de que o período de incerteza até à formação de um governo de coligação na Alemanha prejudique a economia e dificulte o processo de maior integração da Zona Euro. 

 

Depois de na segunda-feira ter sofrido a queda diária mais forte de 2017, hoje o euro está a ceder 0,67% para 1,1770 dólares.

 

Em sentido inverso, o índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais está a subir pela segunda sessão e em máximos de cinco semanas, a beneficiar das tensões geopolíticas que levam os investidores a refugiarem-se na divisa dos Estados Unidos.

 

Petróleo recua de máximos de 2015

O petróleo está a aliviar da forte subida registada na sessão de ontem e dos máximos de mais de dois anos a que chegou a negociar nas primeiras horas da sessão de hoje. O Brent, que é negociado em Londres, chegou a valorizar mais de 4% para superar os 59 dólares por barril – o valor mais alto desde o Verão de 2015 – mas segue agora a ceder 1,1% para 58,37 dólares. O West Texas Intermediate (WTI), em Nova Iorque, segue o mesmo caminho e cai 0,61% para 51,90 dólares.

 

A matéria-prima tem nas últimas sessões sido impulsionada pela ameaça da Turquia em bloquear um oleoduto que transporta petróleo da região do Curdistão para um porto turco, numa forma de colocar pressão sobre os curdos iraquianos que avançaram para um referendo sobre a independência.

 

Zinco em alta com procura da China 

O zinco está a liderar o movimento de alta na sessão de hoje nos metais industriais, depois de ter sido revelado que a procura da China por estas matérias-primas aumentou em Agosto. O zinco valoriza 1,5% para 3.129,5 dólares por tonelada. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado BCP 26.09.2017

Adoro ouvir os argumentos ultrapassados de alguns palermas em relação ao BCP... Ficaram parados no tempo, tipo apalermados mesmo, sem conseguirem sair desse estado letárgico. Se a economia está a gerar e a fazer girar mais dinheiro, qual o motivo que poderá haver para o BCP cair? Expliquem lá isso malta...

comentários mais recentes
BCP 26.09.2017

Adoro ouvir os argumentos ultrapassados de alguns palermas em relação ao BCP... Ficaram parados no tempo, tipo apalermados mesmo, sem conseguirem sair desse estado letárgico. Se a economia está a gerar e a fazer girar mais dinheiro, qual o motivo que poderá haver para o BCP cair? Expliquem lá isso malta...

BCP vai ultrapassar os 0.275 esta semana 26.09.2017








VÊM ai GRANDES NOTICIAS e GRANDES LUCROS para o MILENUM BCP acordem e ABRAM os olhos se QUEREM GANHAR MUITO $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

pub