Mercados num minuto Fecho dos mercados: Impasse na Alemanha trava o euro mas não as bolsas

Fecho dos mercados: Impasse na Alemanha trava o euro mas não as bolsas

Apesar de um arranque de semana marcado pelo impasse na formação de governo na Alemanha, as bolsas terminaram o dia a valorizar. Já o euro e as matérias-primas estiveram a desvalorizar.
Fecho dos mercados: Impasse na Alemanha trava o euro mas não as bolsas
Patrícia Abreu 20 de novembro de 2017 às 17:19

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,41% para 5.280,34 pontos
Stoxx 600 avançou 0,67% para 386,39 pontos
S&P 500 soma 0,15% para 2.582,61 pontos
"Yield" a 10 anos de Portugal desceu 3,2 pontos base para 1,951%
Euro cai 0,45% para 1,1737 dólares
Petróleo perde 1,48% para 61,79 dólares, em Londres

Bolsas somam ganhos

As principais praças do Velho Continente terminaram a sessão de segunda-feira a valorizar. O índice europeu Stoxx 600 somou 0,67%, apesar do impasse na Alemanha. O partido de Angela Merkel, vencedor das eleições de Setembro mas sem maioria, não conseguiu um acordo com outros partidos na Alemanha para avançar com a constituição de um governo. Ainda assim, os analistas acreditam que a instabilidade política na Alemanha não será suficiente para acelerar uma correcção nas acções da região.

Em Lisboa o dia foi igualmente de ganhos. O PSI-20 somou 0,41%, suportado pelas subidas das retalhistas. A Jerónimo Martins avançou 1,2% para 15,975 euros, enquanto a Sonae apreciou 0,89% para 1,021 euros, depois do Haitong ter actualizado a avaliação da cotada, o que ditou uma subida das estimativas de alguns indicadores e levou o banco a reiterar a recomendação de "comprar". A sustentar a negociação esteve ainda a Galp. A petrolífera ganhou 0,51% para 15,77 euros.

Juros mantêm abaixo de 2%

A taxa de referência de Portugal continua a negociar abaixo de 2%, em valores de Abril de 2015. A "yield" a dez anos cedeu 3,2 pontos base para 1,951%, a beneficiar do optimismo em torno das avaliações das agências de "rating". Depois de a S&P ter colocado a dívida de Portugal em nível de investimento, os investidores esperam agora a mesma decisão por parte da Fitch em Dezembro.

Já as alemãs "bunds" ficaram praticamente estáveis em 0,362%, o que permitiu ao prémio de risco de Portugal baixar para 159 pontos.

Euribor estáveis a três e seis meses

As taxas Euribor mantiveram-se a três e seis meses, desceram a nove meses e subiram a 12 meses em relação a sexta-feira. A Euribor a três meses voltou hoje, pela 14.ª sessão consecutiva, a ser fixada em -0,329%. A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, manteve-se em -0,274%. A nove meses, a Euribor desceu para -0,219%, enquanto a taxa a 12 meses subiu para-0,187%.

Instabilidade alemã penaliza euro

Os receios de que a chanceler alemã Angela Merkel não consiga formar governo, precipitando um cenário de eleições antecipadas, estiveram a pressionar a divisa europeia. Angela Merkel irá ainda esta segunda-feira comunicar ao presidente alemão o insucesso negocial, ficando nas mãos de Frank-Walter Steinmeier a eventual marcação de novas eleições ou convidar a chanceler a formar um governo minoritário. O euro recua 0,45% para 1,1737 dólares. Ainda assim a divisa tem oscilado entre ganhos e perdas ao longo do dia, tendo chegado a estar a transaccionar acima da fasquia de 1,18 dólares.

Petróleo desce mais de 1%

O início de semana está a ser negativo para os preços do petróleo. A matéria-prima desvaloriza mais de 1% nos mercados internacionais, com os investidores à espera da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que decorre no final deste mês, e onde se espera um prolongamento dos cortes de produção. Em Nova Iorque, o crude recua 1,24% para 55,85 dólares por barril, enquanto o Brent cai 1,48% para 61,79 dólares.

China leva alumínio para mínimos de Agosto

O alumínio está a negociar próximo de mínimos de três meses, penalizado por relatórios que antecipam uma quebra da procura na China. O alumínio segue a desvalorizar 1% para 2.083 dólares por tonelada, próximo do valor mais baixo desde 25 de Agosto.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub