Mercados num minuto Fecho dos mercados: Juros de Portugal renovam mínimos, petróleo recupera e bitcoin com novo máximo

Fecho dos mercados: Juros de Portugal renovam mínimos, petróleo recupera e bitcoin com novo máximo

Os preços do barril de ouro negro recuperam dos mínimos de duas semanas e avançam mais de 1% em Londres e Nova Iorque. As 'yields' da dívida portuguesa recuam em todos os prazos em dia de recomendações positivas para as obrigações lusas.
Fecho dos mercados: Juros de Portugal renovam mínimos, petróleo recupera e bitcoin com novo máximo
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 07 de dezembro de 2017 às 17:24

Os mercados em números
PSI-20 subiu 0,20% para 5.391,67 pontos
Stoxx 600 cresceu 0,02% para 386,41 pontos
S&P 500 soma 0,38% para 2.639,98 pontos
"Yield" a 10 anos de Portugal cede 6,2 pontos base para 1,817%
Euro desce 0,08% para 1,1787 dólares
Petróleo ganha 1,39% para 62,07 dólares por barril

Lisboa acompanha ganhos europeus, Wall Street também avança
Com as praças europeias a recuperarem das perdas das tecnológicas, ajudadas também por subidas dos títulos das telecom, do sector das viagens e da banca, as negociações encerraram no verde na generalidade do Velho Continente. Os ganhos do Stoxx 600 foram possíveis apesar da forte queda de uma das componentes do índice, a Steinhoff, dona da Conforama, que perdeu 46% do valor na sessão devido a alegadas irregularidades contabilísticas.

Na praça portuguesa as subidas foram comandadas pela EDP e pela Jerónimo Martins, com a Galp do lado das perdas apesar de ser um dia de recuperação para os preços do petróleo. A EDP Renováveis e a REN também travaram maiores ganhos no PSI-20.

Já em Nova Iorque os principais índices ganham entre 0,35% e 0,7%, perante sinais de que os membros do Senado e da Câmara dos Representantes podem atenuar as diferenças das suas propostas de reforma fiscal e conseguir consensualizar um documento antes do prazo de 22 de Dezembro.

Juros renovam mínimos
As 'yields' a que a dívida portuguesa transacciona em mercado secundário aliviam em todos os prazos, à semelhança do que acontece por toda a Europa, com os juros a 10 anos no valor mais baixo desde Abril de 2015 e a cinco anos no nível mais reduzido desde 1999.

No dia em que o Morgan Stanley recomendou a aposta na dívida soberana lusa na semana que falta até à revisão do rating pela Fitch e depois de os analistas considerarem que as obrigações de Portugal serão uma excepção nos riscos que se põem aos países do euro no ano que vem, o prémio de risco para a dívida alemã está nos 152,37 pontos.

Dólar sobe pelo quarto dia
A nota verde aprecia em relação à maioria das suas pares, pela quarta sessão consecutiva e em máximos de duas semanas, com os investidores concentrados nos possíveis efeitos da reforma fiscal aprovada no Senado norte-americano e nas conversações entre Londres e Bruxelas.


Já a libra estancou as perdas de início da sessão em relação ao dólar e ao euro, numa altura em que os unionistas da Irlanda do Norte que apoiam o governo continuam em conversações com a primeira-ministra Theresa May tendo em vista a proposta do Reino Unido para a fronteira com a República da Irlanda, no âmbito do Brexit.

Bitcoin supera os 16.000 dólares
Em menos de 24 horas, o valor da bitcoin já superou quatro barreiras e chegou rompeu os 16 mil dólares por unidade. Desde o início da semana a progressão ronda os 50%, segundo os dados da Bloomberg.

A impulsionar as subidas deverá estar o anúncio, na semana passada, do início da negociação de futuros associados a esta criptomoeda, o que aumenta a especulação da entrada de mais investidores.

Petróleo recupera de mínimos

O preço do petróleo recupera das quedas de ontem, que tinham sido desencadeadas por um aumento inesperado das reservas de gasolina, denotando uma redução da procura nos Estados Unidos e levando o preço do barril a mínimos de duas semanas. Isto apesar de ontem ter sido conhecida uma descida nos inventários de petróleo. O petróleo em Londres ganha 1,39% para 62,07 dólares por barril. 

Gás natural no valor mais baixo em mais de ano e meio
O valor da unidade térmica britânica (btu) associada aos futuros do gás natural está no valor mais baixo desde Fevereiro do ano passado, perante o aumento dos inventários desta commodity na semana passada na maior economia do mundo.

A temperatura média mais elevada no território norte-americano reduziu a procura pelo gás natural, conduzindo ao primeiro aumento de stocks nesta altura do ano desde 2012 - mais dois mil milhões de pés cúbicos na semana terminada em 1 de Dezembro, comparado com a média dos últimos cinco anos, que apontava para uma descida de 69 mil milhões de pés-cúbicos no mesmo período.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub