Mercados num minuto Fecho dos mercados: Juros e petróleo sobem. Bolsas e dólar descem

Fecho dos mercados: Juros e petróleo sobem. Bolsas e dólar descem

As bolsas europeias estiveram a ser pressionadas sobretudo pelos títulos da saúde e telecomunicações, com o PSI-20 a acompanhar a tendência. Também o dólar perdeu terreno face a um cabaz das principais moedas. Já o petróleo segue animado pela OPEP e Arábia Saudita.
Fecho dos mercados: Juros e petróleo sobem. Bolsas e dólar descem
Bruno Simão/Negócios
Carla Pedro 10 de novembro de 2017 às 17:29

Os mercados em números

PSI-20 desceu 0,38% para 5.301,70 pontos

Stoxx 600 desvalorizou 0,36% para 388,66 pontos

S&P 500 cai 0,25% para 2.578,16 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal soma 1,4 pontos base para 2,059%

Euro avança 0,14% para 1,1658 dólares

Petróleo sobe 0,27% para 64,10 dólares por barril, em Londres

 

Saúde pressiona bolsas europeias

As acções europeias terminaram a última sessão da semana em baixa, pressionadas sobretudo pelos títulos da saúde e também pelas telecomunicações. O índice de referência para a Europa, o Stoxx 600, cedeu 0,36% para os 388,66 pontos.


A bolsa nacional acompanhou o movimento de descida do Velho Continente e perdeu 0,38%% para os 5.301,70 pontos. A castigar o índice de referência nacional esteve sobretudo a Pharol, que recuou 4,61% para 0,393 euros, ainda a ser pressionada por mais um adiamento da assembleia de credores da operadora brasileira Oi, onde detém uma participação superior a 20%. A ajudar à descida da praça lisboeta esteve também a Sonae, que recuou 2,08% para 0,99 euros. A travar maiores quedas estiveram o BCP e a EDP.


Juros sobem e superam 2%

Os investidores exigiram, esta sexta-feira, juros mais altos para apostar na dívida pública portuguesa. No prazo de referência, a 10 anos, a "yield" avançou 1,4 pontos base para os 2,059%. Também os juros da dívida alemã subiram, com a rendibilidade das bunds a 10 anos a aumentar 3,5 pontos base para 0,656%. Com este desempenho, o prémio de risco nacional diminuiu 2,1 pontos para 165,2 pontos. Destaque ainda para o facto de o Tesouro nacional voltar aos mercados na próxima quarta-feira. Está agendado para 15 de Novembro um duplo leilão de dívida de curto prazo, com o qual o Tesouro pretende angariar até 1.500 milhões de euros.


Euribor a 3 meses mantém-se e a 6 meses sobe

As taxas Euribor registaram desempenhos diferentes nos distintos prazos. A taxa a três meses, que está em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, voltou hoje, pela oitava sessão consecutiva, a ser fixada em -0,329%, contra o actual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de Abril. Já a taxa a seis meses, que é indexante em mais de metade dos créditos à habitação em Portugal e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em Novembro de 2015, subiu hoje para -0,275%, mais 0,001 pontos do que na quinta-feira. A Euribor a nove meses subiu para -0,219%, enquanto a taxa a 12 meses se manteve em -0,191%, actual mínimo de sempre.


Dólar em mínimos de 15 dias

A moeda norte-americana está a negociar em baixa face às principais moedas. O índice do dólar atingiu o nível mais baixo desde 26 de Outubro, ao recuar 0,14% para 94,31 pontos, depois do anúncio de que a confiança dos consumidores norte-americanos diminuiu em Novembro para 97,8 pontos (contra 100,7 pontos em Outubro). A nota verde está também a ser penalizada pelo facto de o Senado dos EUA ter proposto adiar para 2019 o corte de IRC, no âmbito da reforma fiscal da Administração Trump.

 

Arábia Saudita e OPEP animam petróleo

Nas matérias-primas, destaque para o petróleo, que segue a somar nos principais mercados internacionais devido à expectativa de que na reunião de finais deste mês a OPEP decida manter o corte de produção. Além disso, as tensões na Arábia Saudita decorrentes de um escândalo de corrupção provocam alguns receios de perturbação da oferta do maior exportador mundial. No mercado nova-iorquino, o crude de referência WTI segue a negociar nos 57,20 dólares por barril e em Londres, o Brent do Mar do Norte, que serve de referência às importações de Portugal, está a negociar nos 64,10 dólares. Com a instabilidade no Médio Oriente, o WTI está a caminho da mais longa série semanal de ganhos desde Outubro de 2016.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
BCP : os shorts que prostituam as mães deles Há 1 semana



os shorts do MILENIUM BCP se quiser ganhar $$$$$$$ fácil que PONHAM as MÃES DELES na PROSTITUIÇÃO que as PONHAM a TOCAR FLAUTAS PESSOAL DÊM todos ordens de venda da TOTALIDADE das VOSSAS ações a 5 ou a 10 EUROS

pub