Mercados num minuto Fecho dos mercados: Madrid contraria máximos do resto da Europa

Fecho dos mercados: Madrid contraria máximos do resto da Europa

O referendo na Catalunha acabou por condicionar a negociação nos mercados financeiros europeus. As bolsas ainda tocaram em máximos de Junho, mas o euro e os juros estão a reflectir os receios em torno da situação em Espanha.
Fecho dos mercados: Madrid contraria máximos do resto da Europa
Reuters

Os mercados em números

PSI-20 desceu 0,19% para 5.399,04 pontos

Stoxx 600 subiu 0,51% para 390,13 pontos

S&P 500 valoriza 0,22% para 2.524,99 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos avançam 4,1 pontos base para 2,429%

Euro recua 0,61% para 1,1743 dólares

Petróleo recua 1,83% para 55,75 dólares por barril, em Londres 

 

Acções europeias sobem para máximos de Junho

À excepção de Lisboa, Madrid e Atenas, o dia foi de ganhos para os principais índices europeus, com as acções a beneficiarem da forte queda do euro, na sequência do referendo sobre a independência da Catalunha que deu vitória ao "sim" este domingo.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganhou 0,51% para 390,13 pontos – o valor mais alto desde 26 de Junho – naquela que foi a oitava sessão consecutiva de ganhos. Na bolsa nacional, o PSI-20 caiu 0,19% para 5.399,04 pontos, depois de sete sessões de subidas, penalizado sobretudo pela EDP.

 

A eléctrica desceu 2,79% para 3,096 euros, o valor mais baixo em dois meses, depois de a ERSE ter proposto, na sexta-feira, que os consumidores paguem menos 165 milhões de euros por ano à eléctrica, nos próximos dez anos, no âmbito dos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC).

 

A bolsa de Atenas recuou 1,39% enquanto Madrid perdeu 1,21%, devido aos receios dos investidores com o clima de instabilidade política no país. O governo autonómico da Catalunha quer avançar com a declaração unilateral de independência apesar de o governo central não reconhecer qualquer validade à consulta popular, que foi considerada ilegal pelo Tribunal Constitucional.  

 

Juros sobem na Europa condicionados por Espanha
O referendo na Catalunha está a condicionar a negociação também dos juros da dívida europeia, com Espanha a liderar. Os juros da dívida a 10 anos de Espanha sobem cerca de 10 pontos base, liderando assim as subidas na Europa. A taxa de juro implícita na dívida portuguesa está a ganhar 4 pontos base para 2,428%. Já os juros alemães recuam 1,3 pontos base para 0,451%.

 

Euribor mantêm-se a 3 e 12 meses e sobem a 6 e 9 meses

As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três meses, nos -0,329%, e a 12 meses, nos -0,172%. Já as taxas a seis e a nove meses subiram para -0,272% e  -0,219%, respectivamente. 

Euro em queda

A situação em Espanha está a condicionar a negociação na Europa de forma transversal. O euro está a descer 0,61% para 1,173%. 

 

Petróleo desce após aumento de produção 

Os preços do petróleo regressaram às quedas acentuadas, depois de ter sido revelado que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) aumentou a produção no mês passado. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a descer 1,83% para 1,1743 dólares.
 

Ouro continua a aliviar
O ouro continua a aliviar dos ganhos recentes, provocados pelos receios em torno dos EUA, no que respeita ao plano fiscal de Trump, mas também à tensão vivida entre este país e a Coreia do Norte. O ouro está a perder 0,41% para 1.274,50 dólares por onça.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
hsetas Há 2 semanas

Caros, favor corrigir o deslize do preço do petróleo. Atentamente.

pub
pub
pub
pub