Mercados num minuto Fecho dos mercados: Tensões geopolíticas põem bolsas e dólar em queda e ouro em máximos

Fecho dos mercados: Tensões geopolíticas põem bolsas e dólar em queda e ouro em máximos

O vermelho foi o tom dominante nos mercados bolsistas da Europa, penalizados pela cautela dos investidores, que se refugiaram em activos como o ouro. O metal amarelo atingiu máximos de Novembro.
Fecho dos mercados: Tensões geopolíticas põem bolsas e dólar em queda e ouro em máximos
Dario Pignatelli/Bloomberg
Rita Faria 11 de abril de 2017 às 17:20

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,06% para 4.966,73 pontos

Stoxx 600 perdeu 0,02% para 381,18 pontos

S&P 500 desvaloriza 0,75% para 2.339,58 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos subiram 3,5 pontos para 3,854%

Euro aprecia 0,15% para 1,0612 dólares

Petróleo desce 0,63% para 55,63 dólares por barril, em Londres

 

Bolsas europeias descem com aumento da tensão geopolítica

As bolsas europeias fecharam com sinal vermelho esta terça-feira, 11 de Abril, penalizadas pelo aumento das tensões geopolíticas relacionadas com a Coreia do Norte e com a Síria.

 

Depois de ter encerrado sem alteração na sessão de ontem, o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, perdeu 0,02% para 381,18 pontos, penalizado sobretudo pelas cotadas do sector da banca, tecnologia e automóvel.

 

O PSI-20 contrariou a tendência negativa das congéneres europeias com uma subida muito ligeira de 0,06% para 4.966,73 pontos. Os ganhos foram suportados sobretudo pela Nos, CTT e Pharol. A operadora liderada por Miguel Almeida ganhou 1,45% para 5,115 euros, os CTT subiram 0,89% para 5,088 euros e a Pharol disparou 10% para 36,3 cêntimos.

 

Juros portugueses sobem após atingirem mínimos de Janeiro

Os juros das obrigações portuguesas a dez anos colocaram um ponto final numa série de três sessões de alívio, com uma subida de 3,5 pontos para 3,854%. Porém, durante a sessão a ‘yield’ chegou a tocar nos 3,812%, o valor mais baixo desde 24 de Janeiro.

 

Em Espanha, os juros associados às obrigações a dez anos aumentaram 3,1 pontos para 1,644% enquanto em França a subida foi de 3,3 pontos para 0,964%. Isto numa altura em que as sondagens colocam o candidato à esquerda, Jean-Luc Mélenchon, no terceiro lugar, com 19% dos votos, apontando para a vitória de Emmanuel Macron na segunda volta, a 7 de Maio. 

Euribor recua no prazo a um mês

A Euribor a um mês recuou esta terça-feira, para -0,375%, uma descida de 0,001 pontos face à sessão anterior. Já a Euribor a três meses manteve-se inalterada em -0,332%.

 

Dólar cai pela segunda sessão

O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais está a desvalorizar pela segunda sessão consecutiva, depois de os Estados Unidos terem atacado uma base aérea na Síria e ameaçado a Coreia do Norte, levando os investidores a refugiarem-se no iene japonês.

 

Também o euro desceu face ao iene, numa altura em que a incerteza em torno das eleições presidenciais em França também está a pesar no sentimento dos investidores.

 

Petróleo cai após maior série de ganhos de 2017

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais, depois de ter completado na sessão de ontem a maior série de valorizações deste ano. O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 0,41% para 52,86 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 0,59% para 55,65 dólares.

 

Esta evolução acontece antes de serem divulgados os dados das reservas nos Estados Unidos, esta quarta-feira que, segundo estimativas recolhidas pela Bloomberg terão descido em 1,75 milhões de barris na semana passada.

 

Segundo fontes citadas pela agência noticiosa, a Arábia Saudita reduziu a sua produção para 9,9 milhões de barris no mês passado, abaixo do nível previsto no âmbito do acordo da OPEP. Já a produção da Líbia está no nível mais baixo em mais de seis meses devido às paragens do maior campo petrolífero do país.  

 

Ouro em máximos de cinco meses

O metal precioso está a ganhar brilho pela terceira sessão consecutiva, devido ao aumento da procura por activos de refúgio. O ouro ganha 1,39% para 1.272,07 dólares por onça, o valor mais alto desde 10 de Novembro, ou cinco meses. Já a prata escala 1,78% para 18,2738 dólares. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
os ressabiados do BCP Há 2 semanas

Os BCPARVOS
Para a queles IDIOTAS que andam aqui a dizer mal do MILENIUM fiquem a saber que no no dia 25 de abril já estará a 0.25 e mais não posso dizer se NÃO vou para o DESEMPREGO antes do tempo

o zé povinho é MALUCO Há 2 semanas

ACORDEM a pharol está em INSOLVÊNCIA
MATARAM O BCP
a pharol a cimpor 2 empresas em FALÊNCIA e só este ano já subiram + de 90 % e não param de subir é IMPRESSIONANTE e o bcp já vai com -- 7% em 2017 - - 90% em 2016 -- 80% em 2015
-- 75% em 2014 -- 55% em 2013 -- 40 % em 2012

pub